Especial: The Voice USA (12) – Veja como foi a primeira noite de knockouts

Mais uma semana começando no The Voice e dessa vez em uma nova etapa: os knockouts. Na última segunda-feira (03) vimos o início dos knockouts, fase onde os candidatos podem escolher a música que irão apresentar para conquistar o seu técnico e permanecer no time. Nesse momento, cada técnico ainda tem a chance de roubar mais um artista de algum time. Uma novidade dessa temporada, foi que os candidatos que se enfrentam, participam do ensaio do seu “rival”. Então preparem o coração porque nesse primeiro dia já tivemos eliminações chocantes! Venha ver tudo o que rolou no The Voice.

TEAM Alicia: Chris Blue x Quizz Swanigan

A noite do programa começou com um knockout entre dois candidatos que não tem muitas semelhanças entre eles. Chris Blue – que teve uma das melhores apresentações durante a fase de batalhas – subiu ao palco para apresentar o clássico “Superstition” do Stevie Wonder. Acredito que uma das coisas mais legais do Chris, é o fato que nada parece velho com ele. Sua presença de palco e sua voz, deixam a apresentação muito mais interessante de assistir.

Quizz, logo em seguida, cantou a música “Chains” do Nick Jonas. O que já incomodou um pouco foi o fato da música e da idade do menino não parecerem a melhor escolha para a ocasião, mas surpreendentemente Quizz fez um bom trabalho. Ele se moveu bastante no palco, mostrando que tem sim o potencial, mas precisa ser muito bem trabalhado.

No fim, Alicia escolheu Chris para continuar em seu time, mas logo Gwen apertou o seu botão e usou o seu único steal para roubar Quizz – o candidato mais novo da história do The Voice.

Team Adam: Autumn Turner x Hanna Eyre

Nesse knockout vimos primeiro a apresentação de Autumn. Cantando “Respect”, da Aretha Franklin, a candidata mais uma vez caiu no “old fashion” e fez uma apresentação sem ânimo nenhum. Ela tem uma voz muito boa, eu confesso, mas suas próprias escolhas de música não a ajudam no palco.

Já Hanna – que teve sua batalha em montagem rápida – escolheu cantar a música “Bleeding Love” da Leona Lewis. A jovem também não animou muito com sua apresentação, se mostrou bem nervosa – assim como em sua audição – mas não há como negar que sua voz tem muito potencial. Então, considero esse knockout até aqui, um empate. Nenhuma foi muito melhor que a outra.

O técnico Adam Levine então tomou a decisão de continuar com Hanna em seu time.

Team Gwen: Hunter Plake x Johnny Gates

Em todas essas temporadas do The Voice, eu já tinha me acostumado com técnicos juntando – de forma sem sentido – candidatos para batalhas e knockout, mas eu fui surpreendida mais uma vez. Hunter foi o primeiro a se apresentar com a música “I Want to Know What Love Is”. Confesso que achei a escolha da música não muito interessante, mas ele conseguiu dar uma modernizada na canção e fez mais uma de suas performances cheias de emoção.

Já Johnny subiu ao palco para cantar “Million Reasons” da Lady Gaga. Isso foi bem diferente de tudo o que ele já cantou no programa e é até interessante de correr um risco assim, mas vindo na sequência do Hunter, talvez não tenha sido a escolha mais inteligente. Johnny sempre foi um candidato com mais energia e acho que faltou um pouco disso em sua apresentação.

Gostaria de dar a minha opinião particular aqui, porque acho que Gwen comentou um erro enorme juntando os dois. Eles seriam bons candidatos para ter em seu time na fase de votos, então não consigo entender a sua estratégia. Mas Gwen escolheu continuar com Hunter e ninguém roubou Johnny.

Team Blake: Casi Joy x Felicia Temple

Aqui temos mais um par que não fez muito sentido junto. Casi Joy subiu ao palco para cantar a música “My Church”, de Maren Morris, e mostrou muito do seu potencial. Na performance, ela mostrou bastante energia, carisma e personalidade.

Felicia já entrou em desvantagem, fato que aumentou um pouco mais com a sua escolha de música. Cantando “My Heart Will Go On” ela fez uma apresentação mais conservadora, com um vocal impecável, porém com nada muito memorável.

Blake então escolheu Casi para continuar em seu time.

Team Adam: Johnny Hayes x Josh West

Mais alguns artistas de rock se apresentaram essa noite. Johnny escolheu para o seu knockout no The Voice a música “Statesboro Blues” do Allman Brothers e fez uma performance bem autêntica e interessante de assistir. Ele também pareceu bem confortável no palco o que fez tudo fluir de uma maneira profissional.

Josh teve uma audição bastante comentada, depois teve sua batalha em montagem rápida e agora teve sua chance de mostrar seu potencial novamente. Cantando “Carry on Wayward Son” o jovem dividiu opiniões. Algumas pessoas acharam sua apresentação muito boa, outros acharam amadora. Eu, particularmente, achei que ele fez um bom trabalho, mas talvez devesse escolher melhor as músicas.

Para a surpresa de alguns – e alívio de outros – Adam continua com Josh em seu time.

Team Alicia: Ashley Levin x Lilli Passero

O último knockout da noite ficou por conta do Team Alicia. Ashley foi primeiro cantando a música “Fancy”, da Bobbie Gentry. Confesso que essa não foi a sua melhor performance, podendo notar alguns erros que aconteceram como falta de emoção, presença de palco e algumas dificuldades com a pronúncia de palavras, mas sua voz continuou fantástica.

Lili, por outro lado, me surpreendeu muito com sua apresentação de “Tears Dry on Their Own” da Amy Winehouse. Ela dominou o palco, mostrou muito potencial com a sua voz e até recebeu elogio dos técnicos, com um Blake falando que preferiu a sua performance ao invés de Ashley – que é uma artista country.

Alicia então, escolheu Ashley para continuar em seu time e Adam e Blake tentaram roubar Lili, que escolheu ir para o Team Adam.

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte The Voice, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: Facebook, Twitter, Spotify e Instagram.

 

COMPARTILHAR
Andressa Oliveira
Metade campograndense, metade paulistana, jornalista e apaixonada por música. Escreve para o Nação da Música desde 2012, estuda música desde pequena, é obcecada por reality shows musicais, odeia atender telefone, mas não vive sem seu celular. Seriados, livros e comida também não podem faltar em sua vida.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!