Trilha Sonora – 4 Músicas presentes no filme “Rainhas do Crime”

- PUBLICIDADE -

Rainhas do Crime

blank
No último dia 08, os cinemas brasileiros receberam a estreia de “Rainhas do Crime”, adaptação do quadrinho de mesmo nome da Vertigo, selo de histórias com conteúdos adultos da DC Comics. A direção é de Andrea Berloff, tendo produção da New Line Cinema e distribuição da Warner Bros Pictures.

A película conta um elenco recheado de nomes fortes, com destaque para o trio formado por Melissa McCarthy (Missão Madrinha de Casamento e A Espiã Que Sabia de Menos), Tiffany Haddish (Viagem das Garotas e Uncle Drew)e Elisabeth Moss (Handmaid’s Tale e Mad Men). Além disso, é possível citar outros participantes, como Margo Martindale (Justified e The Americans), Domnhall Gleeson (O Regresso e Brooklyn), Common (“O Ódio que se Semeia” e “John Wick: Capítulo 2”), James Badgett Dale (“Os Infiltrados” e “Homem de Ferro 3”), entre outros.

O enredo se faz presente durante a década de 70, mais precisamente em Nova Iorque, contando a história de Kathy Brennan (Melissa McCarthy), Ruby O’Carroll (Tiffany Haddish) e Claire Walsh (Elisabeth Moss), esposas de mafiosos irlandeses. Cada uma tem seu temperamento e, também, carregam consigo diversas histórias. Diante da prisão dos três, começam a se envolver nos negócios de seus esposos e, com diversas intrigas e passando por cima de muitos acontecimentos, vão se firmando como líderes.

Para criar a ambientação de época misturada com o propósito do filme, a trilha sonora se mostra imprescindível. Sendo assim, confira abaixo quatro canções presentes na produção:

“It’s a Man’s Man’s Man’s World” – Etta James

Lançada originalmente em 1966 por James Brown e Betty Jean Newsome, a canção foi regravada por Etta James para estar em seu álbum “All The Way”, divulgado em 2006, com diversos covers de faixas que tiveram alguma relação com sua carreira.

Com um estilo modificado da original, a cantora inseriu na sonoridade um violão dedilhado, lembrando de músicas latinas, além da tradicional bateria pausada e teclado presente. A guitarra faz presenças marcantes na faixa, causando impactado quando aparece. A artista mostra sua voz melódica, com mudanças de tom e afinação impecável, o que a levou a figurar na 22ª posição da lista de Melhores Cantores e Cantoras de Todos os Tempos, elaborada pela Rolling Stone. A letra fala que o homem criou muitas coisas no mundo, porém nada disso seria importante sem a presença de uma mulher.

Devido a seu sucesso, o single já foi cantado por Christina Aguilera, Seal, Cher, a própria Etta James, Celine Dion, entre outros.

“Simple Man” – Lynyrd Skynyrd

Presente em “Pronounced ‘L?h-‘nérd ‘Skin-‘nérd”, álbum de estreia da banda, a canção foi lançada em 1973, sendo composta por Ronnie Van Zant e Gary Rossington.

A faixa é lenta, melódia e contém letra tocante, expressando a relação de mãe e filho. Começa com um dedilhado de guitarra e, em certos momentos, se torna mais pesada, com distorção, apresentando um marcante solo no final. O vocal é calmo, acompanhando o sentimentalismo presente na música, porém alonga-se e aumenta de tom junto com os instrumentais.

Devido à seu sucesso, o single já apareceu, além do filme citado, em “The Sopranos”, “Supernatural”, no jogo “Rock Band”, entre outros.

“Barracuda” – Heart

Lançada em 1977, a canção aparece no segundo álbum da banda, intitulado “Little Queen”. Liderada por seu riff de guitarra marcante, a faixa traz um mix de respeito com os vocais poderes das irmãs Ann e Nancy Wilson, que se complementam, além dos instrumentais em sintonia e solos evidentes.

A música atingiu grande sucesso, figurando a 34ª posição na lista de Melhores Canções de Hard Rock da História, elaborada pela VH1, além de estar presente na cultura pop, como na série “The Boys” e no jogo “Guitar Hero III: Legends Of Rock”.

“Paint It, Black” – Rolling Stones

Sendo uma das mais famosas canções dos Rolling Stones, foi lançada em 1966 e está presente no disco “Aftermath”. Foi composta pela dupla icônica Mick Jagger e Keith Richards.

Sua introdução conta com a inconfundível guitarra “cantando”, junto da bateria e Jagger em um vocal calmo que, repentinamente, da uma guinada e acelera, colocando força na música, tanto em seus instrumentais como no tom da voz do cantor britânico, acompanhado de backing vocals marcantes. É dotada de uma letra que aborda um estado depressivo relacionado a cores, impecavelmente interpretada pela banda.

Devido à seu inegável sucesso, o single está presente em diversas produções do entretenimento em geral, como nos filmes “Nascido Para Matar”, “Advogado do Diabo” e “A Múmia”, além da série “Tour of Duty” e dos jogos “Call of Duty: Black Ops III”, “Guitar Hero: Legends of Rock”, “Guitar Hero: Live”, “Rocksmith 2014”, “Twisted Metal: Black” e “Máfia III”.

Não está por dentro do lançamento do filme e gostaria de saber um pouco mais? Veja o trailer legendado logo no final da notícia!

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Rainhas do Crime, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, YouTube, Facebook, Instagram e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - clique aqui e cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.

- PUBLICIDADE -