Justin Timberlake mal anunciou a segunda parte do disco “The 20/20 Experience” e já acabou se envolvendo em uma polêmica.

Tudo isso porque uma organização contra o abuso sexual que possui o mesmo nome do novo single do cantor, “Take Back The Night”, declarou que o músico não pediu autorização para utilizar o nome na música e ainda não aprovaram a conotação sexual do novo single, que pelo título pode ser associado a organização.

Os advogados da Organização enviaram uma carta a Timberlake, ameaçando tomar medidas legais sobre o uso da marca registrada sem permissão. Timberlake emitiu um pedido de desculpas formal no Radar Online, afirmando que não era de seu conhecimento a  existência do grupo e espera sua canção sirva para espalhar a missão do grupo.

“Eu quero aproveitar a oportunidade pra dizer que nem a canção e nem sua letra têm associação com a organização. Como eu soube mais sobre a Fundação The Take Back The Night, eu sou movido por seus esforços para acabar com a violência contra as mulheres, criar comunidades seguras e incentivar relações respeitosas para as mulheres – algo que todos deveriam se reunir ao redor. A minha esperança é que essa coincidência vai trazer mais consciência a esta causa.”, disse Justin em sua declaração.

Em resposta a diretora executiva da “Take Back The Night”, Katherine Koestner disse “Nossa missão é acabar com a violência sexual, e não com o sexo… como fundação nós estamos todos promovendo saúde e relações respeitosas, então se Justin está do lado disto, somo fãs dele.”

Confira o hit polêmico de Timberlake:

- PUBLICIDADE -