Paloma Mami lança visualizer surreal para a faixa “I Love Her”

Paloma Mami
Reprodução / Facebook
- ANUNCIE AQUI -
Lubeka

Com mais um visualizer inspirado na estética da arte surrealista, a cantora e compositora chileno-americana Paloma Mami soltou, nessa sexta-feira (08), o vídeo para a nona faixa de seu álbum “Sueños de Dalí”, “I Love Her”. Essa obra segue o visualizer de “RDMDA”, lançado em dois de julho desse ano, 2021, como você pôde acompanhar aqui na Nação da Música.

- ANUNCIE AQUI -
Lubeka

Contando com diversos efeitos especiais, inclusive a cabeça aumentada da cantora, pessoas gigantescas ao fundo do vídeo e um cenário completamente alienígena, o visualizer de Paloma Mami é o sexto clipe dedicado às músicas de seu álbum de estreia, depois de “Religiosa”, “Traumada“, “Frenesí”, “Dreams (Interlude)”, “Que Wea” e “RDMDA”.

- ANUNCIE AQUI -

A artista, que nasceu em Manhattan na cidade de Nova York e conseguiu sua fama no reality show “Rojo, el cor del talento” no Chile, têm provocado seus fãs com publicações sobre novas músicas que estarão vindo a caminho.

- ANUNCIE AQUI -

No player ao fim dessa matéria, você encontra o visualizer de “I Love Her” de Paloma Mami.

- ANUNCIE AQUI -

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Paloma Mami, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- ANUNCIE AQUI -
Estudante de jornalismo, não-binárie e apaixonade por música. Sempre aberte para ouvir qualquer gênero, artista ou década. O universo do pop, principalmente hyperpop, k-pop e synthpop, é onde eu vivo e sobrevivo.