Perry Farrell: fundador relembra passado do Lollapalooza

Perry Farrell
Foto: Reprodução / Twitter
- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

Em conversa com a Consequence Sound, nesta quarta-feira (04), o músico Perry Farrell, frontman da banda de rock Jane’s Addiction e fundador do festival de música Lollapalooza, refletiu sobre o passado, presente e revelou um pouco do futuro do festival, agora internacional, que está completando trinta anos.

- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

Sobre a edição do Lollapalooza 2021 em Chicago, que rolou entre 29 de julho e 01 de agosto e reuniu mais de quatrocentas mil pessoas – sobre a qual você pode ler aqui na NM, Perry Farrell comentou: “Eu acho que agora, mais do que nunca, é o momento mágico em que começamos a nos unir. Todos vamos nos juntar e tem pessoas que irão tentar impedir isso. Nós vamos as destruir com amor”. Além disso, o fundador afirmou que essa última edição do festival mostrou um exemplo de empatia, e levou muito em conta a vacinação e a prevenção do vírus.

- ANUNCIE AQUI -

Chamando os artistas que se apresentam no festival de “os grandes mensageiros do mundo”, o cantor Perry Farrell celebrou a diversidade que existe dentro do Lollapalooza e afirmou que deseja ver edições espalhadas pelo mundo inteiro no futuro, porque “a música dissolve o ódio”.

- ANUNCIE AQUI -

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Perry Farrell, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.

- ANUNCIE AQUI -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

Estudante de jornalismo, não-binárie e apaixonade por música. Sempre aberte para ouvir qualquer gênero, artista ou década. O universo do pop, principalmente hyperpop, k-pop e synthpop, é onde eu vivo e sobrevivo.