Rita Ora sai da Atlantic e assina com a gravadora alemã BMG

Rita Ora
Reprodução / Capa

Na última quinta-feira (03), a cantora e compositora Rita Ora, após lançar o seu EP “Bang” em fevereiro do ano passado, 2021, como você pôde acompanhar aqui na Nação da Música, revelou que está deixando a sua gravadora de anos Atlantic Records e ingressando na empresa musical alemã BMG Rights Management, iniciando um novo capítulo.

Em seu post no Instagram sobre a troca de gravadoras, Rita Ora anunciou que está muito empolgada com a sua participação na BMG, corporação responsável por artistas como Kylie Minogue, The Rolling Stones e Avril Lavigne, além de elogiar a empresa: “firma global, dinâmica, criativa e progressiva”.

- ANUNCIE AQUI -

“Sua visão sobre propriedades artísticas é muito conectada à minha, e é muito empoderador saber que vou ser dona de todas as minhas gravações que faço daqui para frente”, escreveu a artista em sua publicação. Ora informou que ainda assim agradece muito seu time na Atlantic Records e continua extremamente empolgada com este novo momento em sua carreira.

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Rita Ora, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e sua família. Não se esqueça que a vacinação contra a COVID já está disponível em todo o Brasil. Aqueles que já receberam a 1ª e a 2ª dose, lembrem-se de tomar a dose complementar e mesmo após vacinação completa, é necessário seguir as medidas de cuidado necessárias para contermos o coronavírus. Cuide-se!

- ANUNCIE AQUI -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

Estudante de jornalismo, não-binárie e apaixonade por música. Sempre aberte para ouvir qualquer gênero, artista ou década. O universo do pop, principalmente hyperpop, k-pop e synthpop, é onde eu vivo e sobrevivo.