The Voice
Foto: Youtube.

Mais uma fase chega no The Voice e, nesta segunda-feira (12), os participantes dos times se apresentaram a fim de uma vaga no Top 12. Nesta etapa, os telespectadores possuem o poder de decisão e podem votar durante o episódio, que foi transmitido ao vivo. Preparados para ver tudo o que rolou?

TEAM BLAKE

Michael Lee — Iniciando a noite, tivemos Michael Lee, com “Every Time I Roll the Dice”. Sua voz rouca e os agudos que consegue alcançar com a mesma são definitivamente bem interessantes, e tirando algumas pequenas falhas, sua apresentação foi muito boa.

Dave Fenley — Normalmente, Dave tem uma boa presença de palco, mas esta apresentação em específico deixou a desejar. Com “Angel Flying Too Close to the Ground”, o competidor desacelerou um pouco e acabou trazendo uma performance arrastada.

Natasia Greycloud — Escolher um hit nem sempre trabalha em favor do competidor, que precisa estar preparado para sua dimensão. O que parece não ter sido o caso de Natasia, que escolheu “God is a Woman”, que parece mais ter a levado ao limite de sua voz do que mostrado sua extensão.

Chris Kroeze — “Have You Ever Seen the Rain” foi uma boa decisão tomada por Chris, que manteve as coisas simples e de maneira eficaz mostrou seu talento, com uma de suas performances mais sólidas até agora no The Voice.

- PUBLICIDADE -

Funsho — Funsho vem se destacando desde o início da competição, e foi mais um participante a escolher um hit recente para sua apresentação. Com “How Long”, ele teve bons momentos, levando em consideração a forte pegada R&B que ele carrega.

Kirk Jay — Kirk chegou mais uma vez mostrando toda a sua empolgação por estar no programa, sendo um daqueles que você percebe o quanto quer vencer. “One More Day” foi sua escolha, e mesmo deixando a desejar no início, ao longo da canção ele pega o ritmo e se sai bem.

TEAM KELLY

Abby Cates — Novamente, a escolha da canção foi a grande culpada por uma apresentação fraca. Obviamente deve ser levado em consideração que estamos falando de uma participante bem jovem, mas “Next To Me” definitivamente não se encaixou bem com o que Abby deveria levar para o palco.

- PUBLICIDADE -

Keith Paluso — Este é o terceiro time pelo qual Keith passa nesta temporada do The Voice, então é claro que ele precisa mostrar a que veio. Se ele conseguiu? Talvez não muito. “Someone Like You” foi uma decisão arriscada e parece lhe deixar meio confuso no começo, só conseguindo se recuperar mais pro fim da canção.

Sarah Grace – Baseada em apresentações anteriores e nesta, Sarah se mostra ser uma grande concorrente do Team Kelly. Com “When Something Is Wrong With My Baby”, ela mostra sua genuinidade e nos dando certeza de que ainda há muito mais para se ver de sua voz.

Zaxai – “When I Need You” conseguiu traduzir tudo o que Zaxai também mostrou em sua performance no geral, casando a letra da canção com sua expressão corporal, utilizando muito bem o espaço que lhe foi dado no palco. Sua voz cresceu ao longo da performance, onde também pôde apostar em falsetes.

Chevel Shepherd – Também muito jovem, Chevel fez uma ótima entrega de “Tell Me About the Good Old Days”, com sua afinação sólida e bons momentos no geral.

Kymberli Joye – Vamos combinar que “Radioactive” não é lá das canções mais originais para se escolher, mas a abordagem utilizada por Kymberli foi diferente das já apresentadas anteriormente, e isso pode ter lhe dado algum tipo de vantagem.

- PUBLICIDADE -

TEAM ADAM

Steve Memmolo — A impressão passada por Steve é que ele passa uma imagem de melhor cantor do que realmente é na prática. Com “More Today Than Yesterday”, ele aposta mais na presença de palco e no charme do que na voz propriamente dita.

DeAndre Nico — A energia levada por DeAndre nesta apresentação foi certamente uma grande destaque no episódio. Poderosa e íntima ao mesmo tempo, “Ordinary People” foi um tiro certeiro para ele, podendo ser o suficiente para lhe garantir uma vaga no Top 12 no The Voice.

Radha — Este não foi a apresentação mais marcante de Radha, que já mostrou momentos melhores ao longo da competição, mas também não se pode dizer que foi ruim. O ponto é que “Dusk Till Dawn” não foi o suficiente para mostrar o que queríamos ver: seu alcance.

Kameron Marlowe — Retornando ao country-rock, Kameron finalmente fez seu acerto. É interessante que ele continue investindo em canções como “I Ain’t Living Long Like This”, pois lhe foi extremamente favorável.

Tyke James — Se houve um time com bom tato para a escolha de canções, foi o Team Adam. Tyke aparece com “Use Somebody” e uma grande similaridade com a voz de Caleb Followill, eu diria. Sua imagem e estilo despojados, meio surfista, também são de extrema importância para a construção do artista que ele demonstra querer ser.

Reagan Strange — Reagan tem uma grande voz, a questão a partir de agora é como conseguir controlá-la a ponto de que não se torne um problema, uma série de desafinações. Ela se apresentou com “Worth It”, canção original de Danielle Bradbery, ex-participante e vencedora do The Voice pelo Team Blake.

TEAM JENNIFER

Patrique Fortson — Com “Ain’t Nobody”, Patrique mostrou estar se divertindo no palco, com bons e maus momentos vocalmente falando. Em sua maioria, a performance num tudo foi boa, porém sem grandes destaques.

MaKenzie Thomas — Apostar em uma música de Whitney Houston é sempre bem arriscado, principalmente quando falamos de “I Believe in You and Me”. MaKenzie conseguiu cumprir seu papel, e pudemos presenciar uma performance emocionante e cheia de bons momentos.

Franc West — Mesmo não alcançando as maiores notas como a canção promete, Franc apresentou “Apologize” de maneira positiva, e encontrou espaço para crescer conforme a performance ia chegando ao fim, alcançando um nível maior de confiança.

Sandyredd — Somente Sandyredd seria capaz de segurar uma canção como “No More Drama”, de Mary J. Blige. Obviamente houveram alguns momentos mais fracos, mas a competidora sabe como se recuperar e performar a canção com todo o drama necessário.

Colton Smith — A fase ao vivo é sempre bem estressante para os participantes, mas alguns deles lidam com isso de maneira mais evidente que outros, sendo o caso de Colton. “Scared to Be Lonely” não foi uma grande escolha e era claro que ele estava bastante nervoso, o atrapalhando a curtir o momento que teve.

Kennedy Holmes — Desde as audições às cegas, Kennedy foi colocada como uma das favoritas, e o encerramento da noite ficou por conta dela. Sua escolha foi grande, “Halo” não é nada fácil, mas como esperado ele arrasou e interpretou a canção perfeitamente.

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte The Voice, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: Facebook, Twitter, Spotify e Instagram.