Resenha: “VIVA” – Barão Vermelho (2019)

- PUBLICIDADE -
Barão Vermelho
Foto: Fernando Yokota / Nação da Música.
blank

Na última sexta-feira (16), o Barão Vermelho lançou, nas plataformas digitais, seu primeiro álbum de inéditas depois de 15 anos.

Chamado “Viva”, ele é o primeiro com o vocalista Rodrigo Suricato e vem com nove faixas, sendo duas delas com parcerias.

Eu Nunca Estou Só” é a que abre o disco e foi uma grande escolha para isso. A música é muito boa, possui um refrão muito chamativo e instrumentos bem trabalhados. Os toques constantes de piano ao fundo dão um bom ar à música e ela fica ainda mais completa quando a guitarra entra com mais força. A colaboração com o rapper BK é positiva e dá uma diferenciada no meio da faixa.

Com um pop-rock mais evidente, a “Por Onde Eu For” traz um ânimo ainda maior e apresenta uma mensagem bem positiva, falando sobre aproveitar a vida e levar sempre os amigos.

Jeito” inicia com o instrumental ao fundo bem baixo e bastante foco no vocal, um pouco depois ela acelera, mas não como a anterior. A música fala sobre as individualidades de cada um, que ninguém é perfeito e que precisam se aceitar. Ela é bem leve, mas muito boa.

Tudo Por Nós 2” começa com uma guitarra bem presente e o vocal mais potente. No refrão, no entanto, a canção dá uma caída comparando com os versos. Apesar da qualidade, ela fica atrás de outras que se destacam mais nesta produção.

Iniciando de maneira bem lenta e com voz suave, “Um Dia Igual Ao Outro” aparece na sequência. Por seu ritmo mais tranquilo, o que difere do restante do disco, ela dá uma boa mudada, prendendo bem quem ouve. Ela ainda conta com um belíssimo solo de guitarra no meio da canção. É uma excelente faixa.

Voltando com o ritmo mais acelerado, “Vai Ser Melhor Assim” traz guitarra marcante. Ela fala sobre o término de um relacionamento e seguir em frente, deixando pessoas que te fazem mal para trás.

Outra mais lenta é “Castelos”, que aparece na sequência. As batidas aceleram no refrão, com uma bateria mais forte, onde o vocal se destaca bastante também.

A Solidão Te Engole Vivo” já havia sido lançada anteriormente e reflete bem este novo trabalho do grupo. Ela tem um estilo bem de pop-rock e com uma mensagem bem positiva em sua letra, falando sobre amizade e apresentando outro olhar para o mundo.

E fechando o disco, aparece a “Pra Não Te Perder” com a colaboração de Letrux. Esta sem dúvida merece um destaque, o dueto ficou perfeito, as vozes encaixaram muito bem e foi uma ótima escolha.

Ao mesmo tempo que “Viva” traz tons do antigo Barão Vermelho, ele passa a trilhar o novo caminho da banda e isso que é interessante. Ele possui uma musicalidade muito boa e é bem trabalhado. Para uma volta após 15 anos sem um disco de inéditas, ele está ótimo. Vale destacar que Rodrigo Suricato encaixa muito bem e sua voz não se difere muito da do Frejat, então não causa um estranhamento grande aos fãs.

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Barão Vermelho, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, YouTube, Facebook, Instagram e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - clique aqui e cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.

- PUBLICIDADE -