Entrevistamos Inhaler sobre disco de estreia, pandemia e fãs brasileiros

INHALER
Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -
MAR ABERTO

Na última sexta-feira (09), a banda irlandesa Inhaler divulgou nas plataformas digitais o primeiro álbum da carreira, intitulado “It Won’t Always Be Like This”. O grupo é formado por Elijah Hewson, Robert Keating, Josh Jenkinson e Ryan McMahon.

- PUBLICIDADE -
MAR ABERTO

Depois de algumas turnês, muitos shows ao vivo, a banda de Dublin finalmente traz ao mundo o seu debut, com total de 11 faixas, com inspiração em nomes como The Strokes, New Order e até Talking Heads. Uma curiosidade: o vocalista Elijah é um dos filhos de ninguém mais, ninguém menos do que Bono, da lendária banda de rock U2.

- PUBLICIDADE -

A Nação da Música conversou com os integrantes da Inhaler sobre o processo criativo de “It Won’t Always Be Like This”, a criatividade na pandemia, as inspirações do álbum e também sobre os planos para visitar o Brasil.

- PUBLICIDADE -

Entrevista por Marina Moia.
————————————- Leia a íntegra:
Olá, pessoal! O primeiro disco da carreira da Inhaler, “It Won’t Always Be Like This”, será lançado agora em julho. Eu pude ouvir antecipadamente e adorei! Como foi o processo criativo e de produção deste trabalho?
Elijah: Tem sido bem longo. Começamos a escrever quando tínhamos 17 anos e as músicas mudaram conforme nós mudamos e crescemos. As músicas passaram pela puberdade com a gente [risos]. Tem sido um processo longo, mas é algo que também é muito recompensador. Foi difícil gravar durante a pandemia também.

- PUBLICIDADE -

Como você disse, a pandemia afetou as gravações, mas ela também afetou a criatividade?
Ryan: Afetou a criatividade de maneira negativa e também positiva. Nós estávamos em turnê, juntos o tempo todo, há quatro anos. Mas passamos quatro ou cinco meses sem nos vermos. Era para a gente voltar para casa apenas por uma semana depois da turnê, mas dai entramos em lockdown e pensamos “opa, que bom, temos três semanas de descanso” [risos]. É claro que isso se estendeu e começamos a ficar desmotivados porque não sabíamos qual a direção que tudo estava tomando.

Mas chegou o momento que começamos a compor e metade do álbum foi escrita durante o lockdown. Músicas como “Slide Out The Window” e “Totally”, que já estavam em formato de demo. Então decidimos ir para Londres, para o estúdio, de maneira segura, e começamos a gravar o álbum. Porque a gente sempre falava sobre começar a gravar e os fãs ficavam com esperanças de ouvir o disco, que nunca saia. Chegou num ponto que a gente viu que precisávamos tomar uma atitude para fazer esse disco!

- PUBLICIDADE -

Elijah: A gente não tinha mais nada pra fazer! [risos]

Ryan: Ir de acordar numa cidade diferente todo dia com seus amigos e sua equipe para acordar todo dia com sua família novamente é uma mudança muito dramática no estilo de vida. Então foi muito bom poder voltar a trabalhar no disco novamente.

- PUBLICIDADE -

Vocês já fizeram muitos shows, já entraram em turnê, e também lançaram algumas músicas do álbum. Mas sentem muita pressão quando pensam na ideia de lançar o álbum de estreia?
Elijah: Sim, muita pressão! É uma boa pressão. Quando você trabalha em algo por tanto tempo, o álbum já está finalizado há seis meses, você tem muito tempo para pensar em como as pessoas vão receber seu trabalho. Mas acho que se você ficar pensando muito nisso, você vai acabar ficando louco. Você precisa apenas desencanar e deixar rolar. É uma coisa difícil de fazer, mas…

Recentemente, vocês anunciaram uma turnê norte-americana, o que é bem animador já que faz muito tempo que não temos anúncios do tipo! É legal ver que as coisas estão voltando ao normal finalmente. Como vocês estão se preparando para a turnê?
Ryan: Estamos na nossa sala de ensaios agora mesmo, ensaiando o álbum e também escrevendo novas músicas. Estamos nos preparando para o retorno dos shows, que tomara que seja antes do que a gente imagina! Mal podemos esperar para voltarmos à turnês. Nós sentimos muitas saudades dos nossos fãs e também da nossa equipe, que viaja com a gente. Nós estamos muito animados e prontos, há muito tempo, para voltarmos a fazer shows.

- PUBLICIDADE -

Elijah: Não sei se estamos realmente prontos… [risos]

Ryan: Estamos prontos mentalmente! [risos] Para fazer o que nós mais amamos neste mundo.

- PUBLICIDADE -

Seria ótimo se nunca tivéssemos parado com os shows!
Elijah: É. Nós fomos um pouco sortudos porque ainda não tínhamos lançado o álbum quando a pandemia surgiu. Nós estávamos planejando gravar em março e lançar em agosto passado. Mas com o álbum de estreia, você quer poder lançar e entrar em turnê logo em seguida. Essa é uma parte tão importante de ser uma banda! Você precisa sair e ver a reação das pessoas! Por isso que a gente segurou [o lançamento] por um tempo.

Tem alguma banda ou artista que vocês ouviram mais neste último ano, durante a pandemia?
Ryan: Uma das nossas bandas favoritas, The Strokes, durante o primeiro lockdown, lançaram um disco novo que a gente amou e ouvimos muito na época. Outra banda foi a Fontaines D.C. que lançou o segundo álbum deles, ouvimos muito também.

- PUBLICIDADE -

Robert: Individualmente nós ouvimos muita coisa diferente também.

Ryan: Sim, sim! A gente ouve muitas músicas diferentes entre nós, novas e antigas. Mas como banda, durante a gravação do disco, não tinha nada específico. Nós escrevemos músicas que poderiam ser escritas pelas nossas bandas favoritas. Eu acho por exemplo que “Who’s Your Money On” soa como uma mistura de New Order e Talking Heads. Não tinha nada específico, a gente só pensava em quem nos inspirava naquele momento e escrevia músicas que soavam parecidas.

- PUBLICIDADE -

Vocês recebem muitas mensagens dos fãs brasileiros? Os fãs podem esperar a turnê da Inhaler por aqui quando for seguro?
Robert: A gente estava aqui comentando que se descobrissem uma maneira de ser possível, a gente faria o quanto antes.

Ryan: A gente iria escondido em caixas, igual em “Madagascar”.

- PUBLICIDADE -

Elijah: Estamos doidos para conhecer, não só o Brasil, mas toda a América do Sul, todos os lugares que nunca fomos como banda. Queremos ir logo, como turistas também, porque são lugares com muita História e muito lindos. Mas sim, adoraríamos ir ao Brasil, com certeza.

Por último, gostariam de mandar alguma mensagem aos fãs brasileiros da Inhaler?
Ryan: Queremos agradecer a todo o apoio que eles nos dão. Mal podemos esperar para conhecê-los!

- PUBLICIDADE -

Elijah: Poder conhecê-los seria fantástico!

Robert: Tudo tem sido online ultimamente, então esperamos vê-los pessoalmente em breve.

- PUBLICIDADE -

Ryan: Esperamos que eles gostem do álbum também!

- PUBLICIDADE -

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Inhaler, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.



Caso este player não carregue, por favor, tente acessa-lo clicando aqui. Se possível, siga nosso perfil no INSTAGRAM para acompanhar nossas novidades, clicando aqui.

Jornalista e apaixonada por música desde que se conhece por gente.