Resenha: “The Bitter Truth” – Evanescence (2021)

evanescence
Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -
Melim
- PUBLICIDADE -
Maneva
Melim

Depois de 10 anos sem lançar um álbum de inéditas, a Evanescence está de volta com seu novo disco “The Bitter Truth”. Disponibilizado na última sexta-feira (26), o projeto se mantém fiel à linha sonora da banda, prestando homenagem a alguns de seus trabalhos mais antigos. Algumas faixas flertam com sons eletrônicos, mas o que prevalece é o hard rock já conhecido do público e a voz incomparável da vocalista Amy Lee. Deixando a desejar um pouco no teor das letras, o quarto de estúdio da Evanescence se apoia nos ombros de 16 anos de um legado incontestável para o rock dos anos 2000.

- PUBLICIDADE -
Maneva

“Artifact/TheTurn” é uma introdução de 2 minutos voltada para o instrumental eletrônico com a voz de Amy Lee se insinuando suavemente para criar uma atmosfera etérea e futurista. Enquanto a cantora sustenta uma nota alta na última palavra, a música muda para “Broken Pieces Shine” onde os instrumentos ganham força, liderados pelos tambores fortes da bateria e sustentados pelo peso da guitarra. A canção tem um senso de otimismo em meio ao caos, como o título sugere. Na ponte, Amy Lee admite “eu não sei se algum dia estarei bem, mas tenho que tentar”. Esse fio de esperança se estende pelo decorrer do disco.

- PUBLICIDADE -

A marcha da bateria dá início à “The Game Is Over”, onde a vocalista da Evanescence despeja suas frustrações em tentar se adaptar às regras e expectativas de outras pessoas e de um sistema maior. Sua voz brilha com força na canção, sustentando notas altas enquanto ela encontra um senso de empoderamento ao acolher seu verdadeiro eu e declarar que “o jogo acabou”. Surfando na recém-encontrada liberdade da faixa anterior, “Yeah Right” aposta em um som mais descontraído, sem deixar para trás as guitarras e a bateria, criando um grande hino para as multidões ao vivo se divertirem, especialmente no refrão chiclete.

- PUBLICIDADE -

“Feeding The Dark” é uma das músicas que mais se aproxima da Evanescence no início de carreira, trazendo letras metafóricas, enigmáticas e até mesmo mais sombrias. A construção da canção também remete aos tempos mais antigos da banda, com Amy Lee introduzindo seus vocais de forma melodiosa e envolvente primeiro, quase em um tom sussurrado, para ganhar força total no refrão, junto ao instrumental.

- PUBLICIDADE -

Em “Wasted On You” a banda faz a primeira referência direta ao período de isolamento social sob um pano de fundo romântico. “Um pouquinho de tempo demais sozinho e você se torna o inimigo,” canta Amy Lee enquanto se encontra em um lugar conflituoso após chegar ao que parece ser o fim de um relacionamento. A faixa traz o nome do álbum, com a cantora pedindo para que a outra pessoa apenas passe a ela “a verdade amarga” e encerre a situação.

“Better Without You” resgata com força total o rock gótico que mostrou a Evanescence ao mundo. A música é o grande destaque do “The Bitter Truth” e deve ser uma das favoritas dos fãs mais antigos. Com versos ritmados e um pré-refrão potente, a faixa cresce em um grande refrão, perfeito para o instrumental mais pesado e a voz arrebatadora de Amy Lee.

- PUBLICIDADE -

O single “Use My Voice” é um hino de batalha e encorajamento feito num contexto político e social. Além de ter sido usada para incentivar as pessoas a votarem nas eleições estadunidenses de 2020, a música também é um lugar de força e coragem para vítimas de abuso sexual. Em entrevista para a Consequence of Sound, Amy Lee revelou que o que inspirou a composição da canção foi uma sobrevivente de abuso chamada Chanel Miller, que testemunhou em frente a um tribunal para julgamento de sua história.

Deixando uma sensação de potencial desperdiçado, “Take Cover” é completamente focada no hard rock e metal alternativo, trazendo instrumentais pesados que acabam colidindo com a letra pouco desenvolvida e repetitiva, ainda tentando se agarrar ao tema de empoderamento explorado em faixas anteriores.

- PUBLICIDADE -

É em “Far From Heaven” que somos lembrados da beleza única que o som da Evanescence pode ter quando menos se torna mais. Sob um belo e melancólico piano, a voz melódica de Amy Lee dança entre as notas e por vezes é acompanhada de violinos e sons eletrônicos no refrão. É em sua triste honestidade de admitir que se sente “tão longe do Céu” que somos recordados do talento de Amy para a composição.

“Part Of Me” é um hino raivoso de resignação e força vindo de uma Amy Lee que “de alguma forma continua em pé através da morte e do tempo”. Depois de ter “se arrastado com garras do subsolo profundo”, ela toma controle de si mesma e seus sentimentos e declara que será “mais do que sua sobrevivência”.

- PUBLICIDADE -

“Blind Belief” encerra o álbum com mais um hino para a atualidade, reconhecendo os erros das gerações passadas e colocando toda a esperança nas gerações atuais e futuras. “Nós seguramos a chave da redenção,” canta Amy Lee, ironicamente ecoando um pouco do “otimismo cego” criticado nos mais velhos.

Quem esperava por inovação pode se decepcionar um pouco com o trabalho mais recente da Evanescence, mas o “The Bitter Truth” tampouco pode ser comparado à maestria de álbuns mais antigos, como o “Fallen” (2003) e o baú do tesouro de singles “The Open Door” (2006). Mesmo com seis músicas de trabalho lançadas previamente, as escolhidas não carregam a mesma força de sucessos como “Bring Me To Life” e “Going Under”, e mesmo apelando para um discurso moderno e ativista, não devem marcar de forma grandiosa as novas gerações. No final das contas, mesmo buscando um novo público, “The Bitter Truth” se mostra um álbum para os veteranos, que vão saber apreciar o som da Evanescence reverenciando com saudosismo tempos melhores.

- PUBLICIDADE -

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Evanescence, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.



Caso este player não carregue, por favor, tente acessa-lo clicando aqui.

- PUBLICIDADE -
RESUMO DA RESENHA
Evanescence - "The Bitter Truth"
Jornalista, entusiasta de cultura pop e ex-fã de One Direction.