Entrevistamos Meu Funeral sobre “Dançar” com Tati Quebra Barraco

Meu Funeral e Tati Quebra Barraco
Foto: Juliana Ramos
- PUBLICIDADE -
Raízes da Mamma
- PUBLICIDADE -
Meu Funeral

Nesta terça-feira (13), foi comemorado o Dia Mundial do Rock e, como parte da celebração, a banda Meu Funeral divulgou uma parceria inusitada com a funkeira Tati Quebra Barraco chamada “Dançar”. A faixa foi lançada com videoclipe oficial, que mostra o lado roqueiro de Tati, com muita dança e headbanging.

- PUBLICIDADE -
Meu Funeral

A Meu Funeral é formada por Luquita (voz), Pepe (guitarra), Dan (baixo) e Pedro Tentilhão (bateria), e é uma das revelações da cena rock nacional. Em maio deste ano, eles lançaram o primeiro disco da carreira, pela Universal Music Brasil, intitulado “Modo Fufu”.

- PUBLICIDADE -

“Dançar” é uma grande mistura de influências de pop, funk, punk e rock e os integrantes montaram uma playlist exclusiva para a Nação da Música, como você pode ver neste post, com todas as músicas que inspiraram a faixa.

- PUBLICIDADE -

A Nação da Música teve a oportunidade de conversar com a Meu Funeral e com a Tati Quebra Barraco sobre a parceria entre eles, a gravação do videoclipe e sobre projetos futuros.

- PUBLICIDADE -

Entrevista por Marina Moia.
—————————————— Leia a íntegra:
Neste Dia do Rock, vocês lançam “Dançar” com a musa Tati Quebra Barraco. Primeiro de tudo, como vocês tiveram a ideia de chamá-la pra essa colaboração?
Luquita: Essa música fala sobre uma rotina chata e o personagem só quer sair, encher a cara, dançar e se divertir. Trocando ideia, a gente pensou que tinha que chamar alguém do funk ou do pop, alguém que dialogasse com essa linguagem da dança também. O primeiro nome que surgiu foi o da Tati. Todo mundo pirou com a ideia, a gente chamou e surpreendentemente ela topou de cara. Muito maneiro.

A música é uma grande mistura de vários gêneros e ela sai bastante da zona de conforto da própria Tati, o que é bem bacana! Como foi trabalhar com ela no estúdio, na composição?
Luquita: Pô, foi muito maneiro. É muito interessante pra gente que é do rock, a gente tem a nossa metodologia de trabalho, e ela [Tati] chega com uma outra forma de trabalhar. E a gente vê então que dá pra fazer de uma forma completamente diferente! Rolou super bem! Ela é experimente, tem muitos anos de carreira, então é muito legal, além de trabalhar com um ícone, uma rainha, uma ídola da nossa geração, ver como essa linguagem passa pela música e agrega ao som. Porque a gente mudou bastante a música e ficou muito mais legal.

- PUBLICIDADE -

Dan: Foi bem maneiro do ponto de vista de produção, de levantar tudo. Ela, como o Lucas muito bem falou, tem outro Modus Operandi. Eu não sabia que a gente era tão certinho, tão cartesiano.

Luquita: Tão careta né?

- PUBLICIDADE -

Dan: Isso! Ela é uma MC né?! Então a parada dela é: liga o microfone e ela manda a letra!

Pepe: E uma voz super poderosa também né?!

- PUBLICIDADE -

Dan: Exato. Foi muito maneiro. Não tinha como não crescer com a soma desses dois Modus Operandi. Foi um contraste muito bom e muito rico dessas duas realidades de como se levantar uma música.

Como foram as gravações do videoclipe, que ficou divertidíssimo e super alto astral?
Luquita: Foi maneirasso!

- PUBLICIDADE -

Dan: Foi massa. Esse já é nosso quarto lançamento pela Universal, então é interessante ver como a gente já está desenvolvendo e aprimorando a nossa metodologia de levantar esse tipo de conteúdo. A gente que faz, a produção é nossa. A gente que dirige, que produz mesmo, que compra água, que compra os sanduíches, que resolve quando dá problema. É assim que a gente gosta de fazer. Não é porque a gente está numa grande e maravilhosa gravadora que a gente vai trabalhar de outro jeito. Gostamos de fazer tudo metendo a mão e com a nossa assinatura. E gastando pouco também. É a nossa parada, nós somos uma banda de punk rock no fim das contas. Lançamento a lançamento, clipe após clipe, vai ficando melhor. Esse da Tati foi muito foda por causa da presença dela que já torna qualquer coisa especial, mas também porque fluiu muito bem a produção e tudo que a gente fez . Foi divertido, foi leve. Embora tenha sido uma trabalheira. Tem muita coisa [pra fazer]. Linhas e linhas de uma tabela gigantesca que eu amo de itens para serem levantados, mas foi muito massa. Foi bem o que captou ali no vídeo, aquela vibe boa.

Luquita: O lance é que quando a gente grava o áudio, a gente não teve essa ligação não próxima ali com a Tati. Ela chegou, gravou a voz, mas na hora de gravar o clipe, de performar junto, é que você sente a energia. A equipe estava toda assistindo e quando a gente acabava todo mundo ficava “caralho!!!!!”.

- PUBLICIDADE -

Pepe: Era algo que ia aumentando. A gente ia gravando os takes e ficava mais empolgado. Queria já gravar de novo porque a outra ia ficar ainda melhor e assim foi!

Luquita: No final, a Tati já era tipo a Joan Jett!

- PUBLICIDADE -

*Tati Quebra Barraco entra na conversa do Zoom*

Tati: Olá, gente! Boa tarde! Eu estava com problema no áudio, desculpa!

- PUBLICIDADE -

Luquita: Estamos aqui falando de como você incorporou a roqueirona na filmagem do clipe e que ficou sensacional.

Tati: Foi mesmo, foi show!

- PUBLICIDADE -

Olá, Tati! Como você tá? Conta pra gente como foi participar do clipe e incorporar esse seu lado roqueira!
Tati: Oie, tô bem! Eu sou daquelas que chega e faço na hora, não fico pensando como é que vai ser. Desde o momento que eu aceitei o convite, eu vi como um desafio. E não custou nada tentar. Saiu até além do que eu esperava porque realmente eu incorporei a roqueira mesmo e foi massa, foi ótimo.

A banda já comentou antes de você chegar, mas como foi para você receber o convite de fazer parte da música “Dançar”, que é uma faixa que mistura tantos gêneros?
Tati: Primeiro que eu fiquei surpresa, que é longe da minha realidade, da minha pegada. Todo mundo sabe que meus estilos de música são totalmente diferentes. Mas eu acho também que nada é por acaso. De primeira instância, eu aceitei na hora e pensei “vamos para esse desafio!”. Mas eu fiquei surpresa né?! Porque eles são rock, eu sou funkeira. Mas cheguei, executei, com Deus no coração, e fui pra luta!

- PUBLICIDADE -

E vai dar certo sim! O videoclipe ficou incrível e a música tem tudo pra bombar! Parabéns.
Tati: Sim, vai mesmo! Vai dar um choque de realidade no público né?!

- PUBLICIDADE -

Luquita: E do punk pro funk só muda uma letra né?

Tati: É verdade! Só acelerou um pouco. Alguns anos atrás, a gente teve que entrar na vibe dos 150 [bpm] e é um pouco corrido porque a gente canta numa pegada, mas a gente tem que trabalhar e a gente tem que se enquadrar né.

Pedro: E isso tem tudo a ver com a gente que é a uma banda de hardcore, de punk, que é rápido, então essa adaptação do funk aproximou do nosso estilo.

Tanto o funk como punk tem tudo a ver com críticas sociais, que é algo que tanto a Meu Funeral como a Tati Quebra Barraco fazem bastante. Sei que a “Dançar” é uma música mais descontraída e que não entra neste estilo, mas planejam lançar mais músicas desse tipo no futuro, uma vez que nosso país infelizmente é um prato cheio para críticas?
Luquita: A gente está com um disco engatilhado e que tem bastante crítica social foda, mas tem muita diversão também. Essa música também, apesar da parte de dançar e tal, a pessoa querer mandar o chefe pro cacete e não querer mais trabalhar não deixa de ser uma questão social que a gente vive cotidianamente. Para o futuro, estamos trabalhando num disco bem diverso, divertido e crítico também.

Tati: Eu tô a cada dia que passa gravando alguma coisa, lançando alguma coisa, mas hoje a gente vive no mundo da internet e antes a gente precisava da rádio para levar o conhecimento da música ao público. Hoje você lança no Youtube e todo mundo vê, então a gente sempre tá lançando alguma coisa. Mas é aquela realidade que tem que cair na graça do público, o público tem que gostar sempre. Com essa pandemia, a gente já está há um ano e cinco meses sem trabalhar e estamos rezando para que tudo isso passe para que nossas vidas voltem ao normal. Eu vivo do funk, eu tenho família pra sustentar, tenho muitas pessoas precisando de mim. Mas sempre estou gravando alguma coisa. Gravei agora com a Meu Funeral, já estou com dois clipes em mente que vou gravar também e é isso. Pedindo a Deus que tudo passe para que a gente volte a trabalhar e nossas vidas voltem ao normal.

Com quem mais vocês gostariam de colaborar?
Pedro: O principal ponto pra gente fazer um feat é a gente realmente gostar dessa pessoa. Se a gente gosta do perfil artístico da pessoa, a gente pode fechar com qualquer estilo, desde o sertanejo até o funk, punk, música clássica, ópera. Sendo um artista que a gente gosta de ouvir e que tem tudo a ver com a gente, acho que está valendo!

Luquita: Essa coisa do rock como essa coisa engessada não cola há 30 anos. É uma coisa que tem se misturado, mas que também ainda tem uma visão muito conservadora dentro do rock. Eu realmente acredito muito nessa mistura e no discurso que passa por tantos estilos e que faz todo sentido se misturarem. Isso vai do metal mais extremo, que a gente adora, até o pop, funk e sertanejo, que a gente também ouve e gosta. O importante é não forçar a barra. Dialogando com o que a gente acredita, como essa com a Tati, pô, aí eu só faço feat pro resto da vida!

Tati: É verdade [risos]. A gente sempre está gravando com parceiros. Tem a Carol, de Niterói, que é minha parceirona. É tudo como eles falaram, a gente tem que gostar também. Não dá pra gravar por gravar porque não acho legal. Tem que ter uma identidade com a pessoa de certa forma.

Gostariam de mandar um recado aos leitores da Nação da Música e aos seus fãs?
Luquita: Vacinem-se. Cuidem-se. Divirtam-se. E espero que vocês gostem da música. E parem de ficar com cabeça de roqueiro fechado que só ouve rock e não acredita nas misturas porque é isso que faz a gente crescer, evoluir, desenvolver e se divertir!

Pedro: E trazer o rock à tona de novo né?! A gente precisa de colaborações!

Tati: A gente precisa se unir. De certa forma todo mundo está na cultura da música, todo mundo está fazendo o que gosta e é isso. O clipe tá foda! Vamos se vacinar! Andem com a máscara! A vacina não inibe as pessoas de não pegarem, então todo mundo precisa fazer a sua parte. Porque é o mundo todo, não afetou só o pobre, o favelado, foi a humanidade toda. A gente precisa fazer a nossa parte para voltar ao normal. Tem muita gente que perdeu muita coisa, gente que faliu, que está passando fome, que está passando necessidade e nem todo mundo tem uma família que possa contar. Vamos se conscientizar! Vacina! Saúde em primeiro lugar!

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Meu Funeral, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.

Jornalista e apaixonada por música desde que se conhece por gente.