Blink-182: Travis Barker diz que punk rock foi só “uma fase” para Tom DeLonge

O mês de janeiro chegou ao fim com o anúncio da saída de Tom DeLonge do Blink-182, o que causou várias especulações e diferentes histórias vindo por parte de DeLonge e de Mark Hoppus e Travis Barker. Pouco mais de um mês do assunto vir à tona, Barker concedeu mais uma entrevista, desta vez para o Alternative Nation, divulgada nessa terça-feira (03).

- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

“Pelo o que eu sei, não há nada de errado, da minha parte. Desejo-o o melhor em tudo o que ele faça.  Acho que o certo a se fazer é ser homem e deixar a banda, ao invés de contar as pessoas que ele não saiu, e ser verdadeiro com os fãs.”, opina Barker. “Acho que isso daria um fim também e realmente fazer o que ele ama. Mesmos entre todos os projetos que faço, sempre acho um jeito de priorizar e continuar apaixonado pelo Blink-182. Amo tocar, ouvir e tudo sobre punk rock. Isso mudou a minha vida. Acho que, para Tom, ele não gosta mais da música punk e foi apenas uma fase para ele.”, finaliza. 

- ANUNCIE AQUI -

Além disso, o baterista afirmou mais uma vez que não é a primeira vez que Tom DeLonge sai da banda, mas que eles “não anunciaram das outras vezes.”. Da mesma forma, Barker voltou a criticar a falta de comprometimento de Tom, dizendo que ele “sempre concorda em ir em grandes turnês e gravar álbuns, mas quando chega a hora de ir ao estúdio, ele acharia desculpas para não ir”

- ANUNCIE AQUI -

Ainda em entrevista, Travis elogiou Mark Skiba, do Alkaline Trio quem tocará com o grupo no Musink Festival nos dias 20, 21 e 22 de março, dizendo que “ter alguém que está motivado e animado em estar lá faz um mundo de diferença.”

- ANUNCIE AQUI -

Não deixe de curtir nossa página no Facebook, e acompanhar as novidades de Blink-182 e da Nação da Música.

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- ANUNCIE AQUI -
Bárbara Araujo: Carioca que tem São Paulo como casa desde 2009, estuda Jornalismo e escreve para a Nação da Música desde 2014. Passa mais tempo ouvindo música e assistindo a vídeos de shows do que qualquer outra coisa. Ainda compra CD, ama pop-punk, cachorros e é facilmente encontrada em shows.