O frontman do The Libertines, Carl Barat, conversou, nesta quarta-feira (25) durante entrevista ao NME, sobre apreensão para o retorno da banda, que se reuniu depois de quase 5 anos separados  para gravar um novo álbum de inéditas e voltarem a se apresentar para o público. Em 2010, no primeiro reencontro do grupo, o Reading and Leeds Festival foi palco de um dos shows que os britânicos agendaram, e Barat afirma que na época ele e seus companheiros estavam assustados, voltando à mídia depois de mais de uma década de uma reclusão, nem um pouco tranquila, e encarando o maior público de suas carreiras.

Ainda sobre o festival Carl contou ao veículo: “Foi incrível… Foi como um clarão de luz. Aquilo nos provou que tudo tinha um significado, não estava apenas na nossa imaginação. Nós estávamos cercados por pessoas que acreditavam na mesma coisa, em canções, e os corações e as mentes e as melodias estavam alinhadas e em sincronia, me dei conta de tudo isso.”

O guitarrista também falou um pouco sobre o que podemos esperar das músicas do novo álbum, ainda sem nome divulgado: “Estou encantado com as canções novas que temos até agora, eu estava escutando-as agora a pouco, são músicas para cantar a plenos pulmões. Estou animado. Há muita energia e te faz pular e ficar tão louco quanto o The Libertines sempre inspirou as pessoas a ficarem. Têm algumas partes bem emocionais que provavelmente vão fazer as pessoas chorarem.”

Não deixe de curtir a nossa página no Facebook, e acompanhar as novidades de The Libertines e da Nação da Música. Confira: