10 bandas e artistas franceses para você adicionar à playlist

m83

Você deve estar se perguntando (ou talvez não) o motivo de falarmos de bandas e artistas franceses nessa matéria. Bom, a inspiração veio do dia 14 de julho de 1795, quando hino da frança foi definido como oficial. Além disso, alguns anos depois ocorreu a Queda da Bastilha, um marco na revolução francesa – você estudou isso.

Portanto, selecionamos 10 bandas e artistas franceses que podemos adicionar na playlist. São bandas de rock e heavy metal, além de indie rock e folk, e até pop. Acho que o sotaque francês acrescenta um charme a mais à música, e deixa ela bem singular nessa língua. Se você souber de mais alguma, coloca aí nos comentários.

#Daft Punk

Apesar de falarmos acima sobre a língua francesa, não há como não falar do duo francês Daft Punk que canta em inglês. A banda iniciou em 1993, e segue em atividades e fazendo sucesso. Uma das faixas mais conhecidas é “One More Time” de 2002. Mas atualmente a mais conhecida “Get Lucky”, vencedora do Grammy de Single do Ano e Melhor Performance Pop Duo/Grupo em 2014.

#Yelle

Já Yelle fez sucesso entre os anos de 2007 e 2008, e atualmente não é tão conhecida. Ela traz um pop bem característico e marcado unido a um som progressivo e eletrônico, trazendo até uma referência disco. A cantora lançou três álbuns, “Pop-up” em 2007, “Safari Disco Club” em 2011, e “Complètement Fou” no ano passado.

#Superbus

A Superbus está na estrada desde 1999, e é uma das mais influentes do pop-rock nacional da França. A banda me lembrou um pouco de No Doubt (?), e tem clipes bem produzidos. No total são seis discos de estúdio, o mais recente é “Sunset” de 2012.

#Zaz

A Zaz cria uma música dançante e ao mesmo tempo intimista. Com a mescla da música francesa e do jazz, ela ousa nos vocais, e trabalha muito o instrumental das canções. A francesa veio ao Brasil recentemente, e parece ter um carinho pelo país, já que já fez uma versão para “Corcovado”. A canção mais conhecida é Ja Veux.

#Mansfield. TYA

O grupo francês Mansfield. TYA tem uma sonoridade mais indie folk, com músicas mais centradas e bem perfiladas. Nesse caso acho que o sotaque francês é o complementa e constrói o Mansfield. TYA como tal. Claro, além do instrumental e das composições. O grupo possui dois discos de estúdio “June” (2005) e “Seules au bout de 23 secondes” (2009).

#Chapelier Fou

O Chapelier Fou foca mais em um som instrumental, com ênfase em instrumentos de corda. As canções criam uma atmosfera bem alternativa e são caracterizadas como música eletrônica. Na verdade o nome Chapelier Fou é o projeto do músico multi-instrumentalista Louis Warynski, que está no mercado com já três álbuns. O último foi lançado em 2014, “Deltas”.

#M83

O M83 é um grupo de música eletrônica já mais conhecido. O gênero musical deles é caracterizado como Shoegazing, ou seja, um ritmo mais particular mas de bastante expressão. Esse estilo é originário do rock progressivo. Mas além disso, o M83 também possui referências do indierock e eletropop. A canção mais conhecida é “Midnight City”.

#Brigada Flores Magon

Apesar de terem encerrado suas atividades em 2010, vale a pena conferir o trabalho que o Brigada Flores Magon deixou. O som da banda é mais voltado ao punk rock, heavy metal e é bastante influenciado pelo movimento “Oi!” que ocorreu na Inglaterra entre os anos 70 e 80. O movimento era composto por bandas punk fortemente inspirados nos valores da classe trabalhadora e do “estilo de rua”.

#Adagio

Adagio segue uma linha semelhan te a do Brigada Flores Magon. Seu gênero é associado ao progressivo power metal, e sua musicalidade é de bastante expressão e expansão. A banda também é caracterizada pelo som preciso, um clima obscuro e orquestração densa e pesada. A banda existe desde 2000, e já tem cinco álbuns de estúdio.

Não deixe de curtir nossa página no Facebook, e acompanhar as novidades da Nação da Música.

COMPARTILHAR
João Pietro: Jornalista, gaúcho e admirador da música em todas as suas vertentes. Apaixonado pela cultura e suas diversas formas de se manifestar, entende que ela é transformadora. Não dispensa um café forte, imagina que se sai bem no improviso e valoriza as relações interpessoais. Também gosta de tocar violão, admira o amor e busca ser otimista.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!