Beyoncé e Jay-Z
Crédito: Variety

Bem de surpresa, o que já virou costume, Beyoncé e Jay-z lançaram “Everything is Love” no sábado, 16 de junho. Inicialmente, o projeto chamado “The Carters” foi disponibilizado somente no Tidal, o que também é de praxe.

“Everything is Love” é uma conclusão da vulnerabilidade entregue em “4:44”, dele, e “Lemonade”, dela, para agora declararem seu empoderamento. É o primeiro álbum conjunto do casal, que já está em sua segunda turnê como dupla. Eles unem aqui o que cada um tem de melhor e mostram mais uma vez porque são dois dos maiores artistas do mundo. O disco é uma declaração e celebração da negritude de Beyoncé e Jay-z, mostrada pelo sucesso e riqueza dos cantores.

A post shared by Beyoncé (@beyonce) on

São 9 faixas no total, todas com média de 4 minutos. A primeira é “SUMMER”, que começa com uma introdução feita por Rory, do Stone Love. Depois entra Beyoncé, afinal a música tem elementos de balada, bem no estilo dela. No fundo, Jay-Z adiciona alguns vocais como é costume, depois ele faz o tradicional rap. Essa construção musical é algo comum quando se junta os dois. A música fala sobre amor e sexo, ela é encerrada por um Outro na voz de Damian Marley, filho de Bob, dizendo que “o amor é universal”.

Logo em seguida começa “APESHIT”, possivelmente a melhor música de “Everything is Love”. Não à toa, foi lançada como single junto com o álbum e ganhou um clipe incrível filmado no Louvre. Essa faixa pode ser considerada o centro do disco, já que reúne as características mais marcantes que os Carters querem mostrar: o hip hop fortíssimo de Bey, a demonstração de grandeza e riqueza do casal – com rejeições gritantes à duas enormes instituições: NFL; Jay disse não ao Superbowl, muito por causa das polêmicas dos jogadores ajoelhando no hino norte-americano. Grammy; o rapper recebeu 8 indicações e não levou nenhuma pelo 4:44 – e a crítica ao racismo, vista já no nome. A participação de Quavo em “APESHIT” é outro grande alto da canção, tanto nos vocais marcantes quanto na produção.

“BOSS” realça, além do hip hop novamente, o R&B de Beyoncé. O disco, apesar de ser dos dois artistas e ter sido creditado como “The Carters”, foi claramente construído para dar destaque à cantora. Não que Jay-Z fique escondido ou não brilhe – o rap dele nesta faixa é parte chave -, mas a dona de “Everything is Love” é Bey. Em “BOSS”, os Carters falam mais uma vez das suas riquezas materiais, exatamente para estabelecer seu empoderamento. A música é encerrada com a voz de Blue Ivy mandando um “alô” para os irmãos gêmeos, Rumi e Sir.

A próxima é “NICE”, que deu ao público uma das frases mais famosas e usadas de “Everything is Love”. Beyoncé diz em alto e bom som, sem papas na língua, “se eu me importasse com números de streaming, teria colocado Lemonade no Spotify”. Bom, já que eles podem “fazer qualquer coisa”, o novo álbum está na rede de streaming para quem quiser ouvir. Assim como “APESHIT”, essa faixa tem a produção (e vocais) de Pharrell Williams.

“713” é um destaque bem dividido entre os dois. Um rap dominado pela voz de Jay-Z e um refrão que serve Beyoncé de forma magnífica. Aqui, o rapper fala sobre o começo da relação dos, agora, Carters. “FRIENDS” é a faixa seguinte e acalma um pouco a pegada do álbum. A construção do vínculo dos cantores continua sendo explorada nos versos de Jay-Z.

“HEARD ABOUT US” é a música que deixa claro o destaque para Beyoncé, e ele vem exatamente da boca de Jay-Z. “É a Beyoncé, meu Deus do céu”, diz ele com o entusiasmo de um fã. Para fazer jus, a melodia dessa canção na voz de Bey é uma delícia de ouvir.

“BLACK EFFECT” traz de volta o tom de urgência, com temática política e de relevância. Aqui a discussão é bem séria, começando novamente com uma introdução que fala de amor. “E há o amor da humanidade. Esse é o amor que é agora mais necessário”, diz o trecho para logo depois as referências começarem. Martin Luther King, Malcolm X e os ataques policiais sofridos por pessoas negras, inclusive com o nome de Trayvon Martin. Além das críticas à violência, a canção fala também de como a cultura negra é comprada e apropriada por brancos, mas as pessoas de cor continuam sofrendo racismo.

O álbum termina com “LOVEHAPPY”, que fala sobre os problemas dos Carters no casamento, mas também de como eles estão agora felizes e se amando. É realmente o encerramento da trilogia: “Lemonade”, “4:44” e “Everything is Love”. Contando, juntos, todos os lados da história de Jay-Z e Beyoncé com traição, arrependimento, amor e poder.

Os dois maiores nomes da música mundial no momento entregam, obviamente, um álbum incrível. Beyoncé é mais relevante que Jay-Z atualmente, e eles deixam isso claro e sem enrolação. Talvez não seja o melhor que os dois podem dar – nós já ganhamos “Lemonade”, afinal de contas -, porque todo mundo sabe que não se pode duvidar dos Carters e que eles sempre vão se superar, mas “Everything is Love” não deixa de ser satisfatório.

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte Beyoncé, Jay-Z e The Carters, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: Facebook, Twitter, Spotify e Instagram.


REVISÃO GERAL
"Everything is Love" - Beyoncé e Jay-Z: The Carters
Música é uma das minhas coisas favoritas do mundo. Formada em Jornalismo, amante da cultura pop e little monster sofrida.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!