Dan Auerbach fala sobre o processo criativo do álbum “Waiting on a Song”

Foto: Divulgação

Em 2016, Dan Auerbach esteve em turnê com sua banda The Black Keys, e entre os shows se dedicou na criação do seu disco solo “Waiting on a Song”, lançado em maio de 2017.

O guitarrista contou para Rolling Stone como foi o processo criativo do seu álbum solo, segundo ele inspirado em muitas lendas da música.

O primeiro artista citado por Auerbach foi Del McCoury, que é o único membro vivo da banda Blue Grass Boys. Dan disse que promovia algumas festas na sua casa em Nashville e convidava alguns músicos, e uma dessas festas teve a ilustre presença de Del. “Ele continua levantando a bandeira de Bill Monroe”, diz Auerbach sobre esta ser uma das maiores inspirações para ele ter começado a escrever canções com sonoridade de violão acústico. “Eu queria ser capaz de me sentar e simplesmente tocar como eles (Blue Grass Boys) e fazer com que funcionasse. Nunca consegui fazer isso”.

O segundo artista citado por Dan foi Charlie Feathers, um roqueiro de 1995 que teve eternizado o hit “Peepin’ Eyes” pela Sun Records. Charlie também é responsável por sucessos de Elvis Presley, mas atritos com o chefe de sua gravadora acabaram destruindo sua carreira. “É ameaçador. Realmente assustador”, diz Auerbach. “É o tipo de música que é tocada antes que alguém salte do armário e te acerte no coração”.

A terceira inspiração de Auerbach foi John Prine, famoso por canções como “Angel From Montgomery” e “Hello in There”. Dan se encontrou com Prine no Nashville Station Inn, onde os dois cantaram sobre o bloqueio criativo em que ambos se encontravam no momento. Esse encontro deu origem a canção-título do álbum de Auerbach. “Foi ótimo estar com uma pessoa com criatividade suprema. Nós só teríamos cerca de uma hora e meia antes de ter que ir comer, então você tenta fechar o negócio quando você volta do almoço. John sabe onde o bolo de carne está todos os dias do semana.”

A quarta inspiração citada pelo músico do The Black Keys foi Jack Clement, que ficou conhecido por ter composto “Ballad of a Teenage Queen” do Johnny Cash. Vários músicos ajudaram tocando no álbum de Dan, um deles foi “Fergie” Ferguson, aprendiz de Clement (faleceu em 2013), que foi responsável por co-produzir o disco. “Ele não teve medo de ser peculiar”, diz Auerbach, descrevendo como Clement usou o aço-colo havaiano e a bateria de conga nas músicas. Ele também defendeu Charley Pride, a primeira estrela negra do país, nos anos sessenta. “Essa foi a ideia dele – todos os outros disseram não para isso [Orgulho]”, diz Auerbach. “Ele era um gênio”.

A última inspiração citada por Auerbach foi Duane Eddy. “Um solista fantástico”, diz Auerbach. Eddy deixa sua marca registrada na faixa de Auerbach “Living in Sin”.“Ele disse que conheceu Elvis em Las Vegas e Elvis disse: “Você conhece alguma maneira de me afastar do Coronel? Preciso de um novo gerente.” 

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte o Dan Auerbach, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: FacebookTwitterSpotify e Instagram.

COMPARTILHAR

DEIXE SEU COMENTÁRIO!