Chegou o dia de me despedir. Nesse domingo então, com a minha última participação nessa semana no Disco do Dia, eu resolvi falar sobre mais uma das bandas que vem acompanhando minha vida desde a adolescência: Panic! At The Disco.

“Too Weird to Live, Too Rare to Die” foi lançado em outubro de 2013, e é o quarto álbum de estúdio do grupo. Ele traz uma mistura de vários estilos em cada uma de suas músicas, e o título do disco é é uma citação de “Fear and Loathing in las Vegas”, já que o ideia central do álbum é Las Vegas, a cidade natal de Brendon Urie, vocalista da banda. E se tem uma coisa que podemos falar sobre esse grupo em especial, é que eles não tem medo de criarem coisas novas. Cada um dos seus discos tem uma mudança – drástica – de estilo.

Melhor música: Minha favorita é “Girls/Girls/Boys”, mas você não pode deixar de conferir “Nicotine” e “Casual Affair”.

Ponto Forte: Falando de pop e influências dos anos 80 e de Las Vegas, esse é um álbum bem sólido e coeso.  É algo bem diferente dos primeiros discos lançados pela banda, sendo que esse, é uma ótima escolha para curtir o momento com um som alto. As letras se mostram bem pessoais por conta das experiências do Brendon, e variam de faixas divertidas à algo mais obscuro.

Ponto Fraco: Para quem escreveu “I Write Sins Not Tragedies”, as vezes é difícil chegar à um álbum, que apesar de diferente do primeiro, parece uma continuação “Vices & Virtues”.

Não deixe de curtir a nossa página no Facebook, e acompanhar as novidades da Nação da Música. Ouça “Too Weird to Live, Too Rare to Die”:

- PUBLICIDADE -