Djonga conta sua trajetória na websérie Sonastério Ilumina

Djonga
Foto: @RafaelStrabelli / Agência Inhaus.
- PUBLICIDADE -
MAR ABERTO

Na quinta-feira (08), a produtora Sonastério soltou o segundo episódio de sua série de documentários e apresentações, Sonastério Ilumina – dessa vez com participação de um dos maiores nomes do rap brasileiro, o artista Djonga.

- PUBLICIDADE -
MAR ABERTO

Lançado no canal do Youtube oficial da produtora musical e audiovisual, o vídeo de quase meia hora traz o rapper falando sobre sua jornada até se decidir pela música, o que o inspira e apresentando diversas de suas faixas, inclusive “Canção Pro Meu Filho”, homenagem a Iolanda e Jorge, filhos do artista.

- PUBLICIDADE -

O rapper narrou que tinha desejo de ser advogado quando mais novo, antes de se decidir pelo caminho de artista musical e sobre os desafios que encontrou dentro do mundo do rap nas seções faladas. “O que os caras vão ter que fazer é acabar com a minha imagem, o único jeito de acabar comigo é esse” afirmou Djonga quando no assunto de seu impacto no rap nacional – seu episódio de Sonastério Ilumina é uma entrevista íntima e na qual ele se abre completamente.

- PUBLICIDADE -

No player ao fim dessa matéria, você pode assistir o episódio completo da entrevista e apresentação do rapper Djonga.

- PUBLICIDADE -

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Djonga, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.

Estudante de jornalismo, não-binárie e apaixonade por música. Sempre aberte para ouvir qualquer gênero, artista ou década. O universo do pop, principalmente hyperpop, k-pop e synthpop, é onde eu vivo e sobrevivo.