Skank
Foto: Diego Padilha – I Hate Flash / Rock in Rio – Divulgação.

Ver um show do Skank pra mim sôa sempre bem nostálgico, mesmo por quê a minha infância toda foi nos anos 90, então sei de cor quase todos os hits da banda. E não é só quem teve a infância nos anos 90 que sabe as músicas…chegando no Credicard Hall em São Paulo, naquele sábado, o público era totalmente variado, de adolescentes com camisetas de bandas hardcore até pessoas mais velhas, de social e vestido.

O show começou pontualmente as 22:30 com Samuel Rosa, Henrique Portugal, Lelo Zaneti e Haroldo Ferretti entrando ao palco explicando um pouco sobre o EP “Os Três Primeiros” e que a apresentação iria viajar pelos cd´s da carreira, iniciando com os três primeiros álbuns da banda, com isso, eles começaram “Réu e Rei”, seguindo de “Tanto (i want you” e “Homem que sabia demais”.

Samuel Rosa dedicou a música “In(Dig)nação”, do primeiro CD, para a situação atual da política brasileira, que não é tão diferente de 20 anos atrás, como ele próprio disse : “- Cheio de corrupção….”.

Logo após, o quarteto mineiro incendiou o público com vários hits como “Jack Tequila”, “Pacato Cidadão”, “Esmola”, “É Proibido Fumar”, “Te Ver”, “Vinheta Poconé” e “Garota Nacional” fazendo velhos e novos cantar em uma só voz todas as músicas. Incrível como o Skank me aciona uma memória videográfica com todos os clipes dessas músicas, na época dos anos 90, a MTV Brasil estava começando os trabalhos quase sincronizado junto a carreira do Skank, e os clipes deles sempre estavam pelo disk mtv ou pela programação do canal. Seguindo com músicas do CD “Samba Poconé”, a banda tocou “Os Exilados”, “Eu disse a Ela”, “Zé Trindade” e “Garota Nacional” que com certeza é um dos maiores hits da banda.

O Skank com o lançamento desse EP vem se moldando ao estilo volátil que a música vem se tornando ao longo dos últimos anos. Samuel fala que foi o jeito de trabalhar com esse EP pois antes eram lançados grandes álbuns com até mais de 12 músicas e singles que ficavam nas paradas das rádios por semanas, e hoje em dia, os artistas soltam quase de mês em mês músicas novas.

O show já se encaminhava para o fim quando começaram a tocar outras faixas como “Três Lados”, “Vou Deixar”, “Sutilmente” e “Vamos Fugir”, música de Gilberto Gil que foi regravada por eles e lançada no disco “Radiola” em 2004.Ao fim, no bis, tocaram “Resposta”, “Dois Rios”, “Ainda gosto dela, “Ela me Deixou” e “Saidera”, fazendo o público cantar em coro, música a música, sem descansar. O Skank mostrou que sua estrada foi e ainda é grande com grandes clássicos radiofônicos e caminhos que ainda irão percorrer no mundo da música.

- PUBLICIDADE -

Resenha por: Juan Alves.

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte Skank, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: Facebook, Twitter, Spotify e Instagram.