Especial: The Voice USA (12) – Confira o final das batalhas

Fãs do The Voice, chegamos ao final de mais uma etapa do programa. Na segunda (27) e terça (28) conferimos as últimas batalhas da 12ª temporada do reality e descobrimos quem passou para os knockouts. Preparados para saber se algum dos seus favoritos continua no programa? É só continuar acompanhando com a gente para conferir tudo o que rolou na segunda e terça-feira.

Segunda-feira

A segunda-feira começou com uma batalha do Team Blake entre TSoul e Josh Hoyer. Aqui tivemos o caso de um candidato com muito carisma e uma bela voz e outro com muito talento, mas sem presença de palco alguma.

Os dois subiram ao palco para cantar a música “In The Midnight Hour” e eu confesso que vocalmente, achei a performance do Josh melhor, mas TSoul roubou todo o resto da atenção. Blake então escolheu TSoul como o vencedor e ninguém roubou Josh.

Na sequência Alicia juntou Vanessa Ferguson e Autumm Turner. Uma candidata com bastante experiência e outra mais amadora, porém, uma mistura que poderia resultar em uma belíssima apresentação.

No palco as duas cantaram “Killing Me Softly With His Song” e Vanessa foi quem mais chamou minha atenção. Sua técnica e profissionalismo fizeram com que ela brilhasse no palco. Já Autumm pareceu um tanto nervosa o que acabou atrapalhando um pouco a sua performance. Alicia escolheu Vanessa para continuar em seu time. Então Adam e Gwen apertaram seus botões para roubar Autumm que escolheu ir para o Team Adam.

Johnny Hayes e Julien Martinez, do Team Adam, foram os próximos no The Voice. Essa foi uma batalha interessante porque Johnny não tinha conseguido virar nenhuma cadeira na temporada passada e Julien quase não conseguiu nenhuma cadeira nessa.

Os dois apresentaram a música “Hard to Handle” que privilegiou um pouco mais o Johnny que estava bem confortável no palco. Julien, que sempre fez teatro, pareceu um pouco mais receoso por estar fora de sua zona de conforto, porém, vocalmente, fez uma boa apresentação também. Adam então escolheu Johnny como o vencedor.

Do Team Gwen tivemos Caroline Sky e Stephanie Rice. Caroline, uma candidata bem nova, poderia ter dificuldades para explorar seus sentimentos em uma apresentação, diferente de Stephanie que tem uma bagagem bem dramática em sua vida.

Durante a performance de “The First Cut Is The Deepest” fui surpreendida por Caroline. Ela conseguiu fazer uma apresentação bem convincente e transparente, além de vocais belíssimos, assim como Stephanie. Então ao meu ver, a técnica teria uma difícil decisão a tomar e que poderia acabar em um steal. Gwen então anunciou Stepahine como a vencedora e Blake apertou o seu botão e roubou Caroline.

A próxima batalha foi um tanto complicada. Adam juntou Malik Davage e Kawan DeBose, mas durante os ensaios, realmente pareceu que nada de bom sairia desse dueto. Tanto o técnico como o conselheiro do time, John Legend, fizeram duras críticas aos dois, que não pareciam preparados para a apresentação – nem para o programa em si – e não mostraram muito progresso em nenhum dos ensaios.

No palco do The Voice, eles cantaram a música “Love Me Now” – que é do John Legend, por isso muita das críticas – e apesar de não ter sido um fracasso, não houve nenhuma conexão entre os dois. Pareceu um “cada um por si”. Adam então escolheu Malik para continuar em seu time.

Aqui tivemos mais uma montagem rápida durante a exibição do programa, mas o canal depois disponibilizou as apresentações na íntegra no Youtube. Enid Ortiz e Valerie Ponzio do Team Blake cantaram a música “Love Triangle” e Enid continuou no time.

Hanna Eyre e Sheena Brook do Team Adam apresentaram uma versão de “Try” e quem continuou no programa foi Hanna.

Troy Ramey e Jozy Bernadette, do Team Gwen, cantaram a música “Angel Eyes” e Troy é quem continua na disputa.

Por último, no programa da segunda-feira vimos a batalha entre Jack Cassidy e Hunter Plake do Team Alicia. A coincidência aqui é que os dois costumavam cantar na igreja, então poderíamos esperar um pouco de emoção na apresentação.

Cantando “Dancing On My Own” eu considero essa uma das melhores apresentações da noite. Os dois mostraram muito talento e o lado emotivo esteve bem presente. Batalha digna de steal, confesso. Jack foi o escolhido para continuar no Team Alicia, mas Adam e Gwen apertaram seus botões para roubar Hunter. O jovem escolheu ir para o Team Gwen.

Terça-feira

O programa de terça geralmente é menor, então tivemos apenas três batalhas, começando por Lilli Passero e Lauryn Judd do Team Alicia. Acredito que essa não tenha sido uma batalha tão justa de início, mas rendeu bastante esforço de ambas as candidatas

Cantando “Every Little Bit Hurts” vimos uma Lili já preparada, com mais experiência, no palco, porém Lauryn também mostrou que tem potencial sim e pode dar muito certo no futuro. Alicia, no entanto, jogou seguro e escolheu Lili para continuar em seu time.

Do Team Adam tivemos Jesse Larson e Taylor Alexander. Dois candidatos que não tem absolutamente nada em comum e que rendeu uma batalha quase estranha.

Eles subiram ao palco para cantar “Shameless” e os dois tiveram sua chance de brilhar, mas com Jesse roubando a cena – o que me surpreendeu muito porque ele nem conhecia muito bem a música. Foi então uma batalha bem acirrada, mas Adam preferiu continuar com Jesse em seu time.

A última batalha dessa temporada do The Voice ficou por conta do Team Gwen com Brandon Royal e Davina Leone. Os dois receberam uma desafio com a música escolhida, que até Celine Dion comentou sobre a dificuldade para um homem cantar.

Com “In The Night” Brandon mostrou bastante esforço para cantar a música do The Weeknd, que tem um refrão altíssimo, mas que conseguiu entregar uma bela performance. Davina já fez uma apresentação mais genérica e pouco memorável. Gwen escolheu Brandon para continuar em seu time e Adam – o único técnico com steal disponível – roubou Davina.

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte The Voice, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: Facebook, Twitter, Spotify e Instagram.

 

COMPARTILHAR
Andressa Oliveira
Metade campograndense, metade paulistana, jornalista e apaixonada por música. Escreve para o Nação da Música desde 2012, estuda música desde pequena, é obcecada por reality shows musicais, odeia atender telefone, mas não vive sem seu celular. Seriados, livros e comida também não podem faltar em sua vida.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!