Resenha: “Imploding The Mirage” – The Killers (2020)

The Killers
Foto: Olivia Bee
- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

Após liberarem singles e faixas promocionais para compensar seu adiamento, o tão aguardado sexto álbum de estúdio do The Killers foi lançado no último 21 de agosto. Originalmente programado para sair em maio, “Imploding The Mirage” foi adiado devido à atrasos na finalização do material por conta da pandemia da COVID-19. De forma a manter seu hype até ser oficialmente liberado nas plataformas de streaming, a banda fez questão de promover com bastante frequência algumas inéditas em programas de TV, lives beneficentes e videoclipes.

- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

Com uma imensa expectativa nas costas, o grande público clamava por um projeto sonoramente grandioso, ousado e original. Contudo, o resultado não foi igualmente revolucionário. “My Own Soul’s Warning”, faixa que já havia sido liberada previamente, é o pontapé inicial do álbum. Com uma sonoridade enérgica e épica, é possível notar um saudoso movimento de resgate à sons do início da carreira do grupo nos anos 2000, mais especificamente presentes em “Day & Age” (2008). O single funciona bem como faixa inicial, apesar de não apresentar nenhuma evolução significativa perante à relevante discografia da banda. Aqui, bem como também na maioria das novas músicas, temos refrões um tanto quanto barulhentos e dominados por teclados sintetizados e acordes de violão, ambos imersos em um groove nostálgico e oitentista.

- ANUNCIE AQUI -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- ANUNCIE AQUI -

Com um conteúdo lírico cheio de nuances e metáforas sobre superação e temas que extrapolam a individualidade (“Dying Breed” e “Blowback“), em alguns momentos as letras imprimem uma subjetividade excessiva, causando dificuldade de conexão com o público. Mais do que qualquer outro álbum do The Killers, “Imploding The Mirage” soou datado durante minha primeira audição, mas definitivamente (e felizmente) cresceu no meu conceito, mostrando que o novo trabalho do grupo necessita ser digerido com atenção aos mínimos detalhes (líricos e sonoros) para ser completamente apreciado e entendido.

- ANUNCIE AQUI -

Uma das canções de destaque, “Caution” já nasce como um clássico da banda: Letra positiva, melodia comercial e refrão vocalmente e instrumentalmente explosivo. Já em “Fire And Bone“, observamos explicitamente esse movimento de resgate dos anos 80: linha de baixo marcante, reverb e predominância do groove dance/disco. Assim como em “Lightning Fields” essas faixas soam meramente como reedições de clássicos oitentistas, apesar de apresentarem refrões contagiantes e vocalmente intensos. Para fãs restritos das guitarras do indie rock, “Imploding The Mirage” tem o potencial de se tornar o registro mais decepcionante da banda – tais riffs raramente tem momentos de destaque frente aos sintetizados e orquestrados arranjos da produção musical.

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- ANUNCIE AQUI -

Os momentos finais do álbum, “My God“, “When The Dreams Run Dry” e a faixa título “Imploding The Mirage” são, na minha opinião, os mais ousados, experimentais e ambiciosos de todo o projeto. Nessas canções, The Killers soa atual, relevante, imponente e consegue um feito que todas as demais canções não conseguiram: Reinventar sua sonoridade, e não tentar reeditá-la. A mesma sensação de euforia e autenticidade que hinos passados entregaram (“Mr. Brightside”, “Somebody Told Me”, “Human”) aparecem com força total, mostrando que após quase duas décadas de estrada, The Killers se mantém relevante no mercado mainstream da indústria fonográfica.

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam The Killers, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e sua família. Não se esqueça que a vacinação contra a COVID já está disponível em todo o Brasil. Aqueles que já receberam a 1ª e a 2ª dose, lembrem-se de tomar a dose complementar e mesmo após vacinação completa, é necessário seguir as medidas de cuidado necessárias para contermos o coronavírus. Cuide-se!

- PUBLICIDADE -


Caso este player não carregue, por favor, tente acessa-lo clicando aqui. Siga a NM no Instagram e Twitter

RESUMO DA RESENHA
The Killers - "Imploding The Mirage" (2020)
Influenciador musical baseado em São Paulo
Se na primeira audição o ouvinte se estranhar com uma tentativa de revisitar sonoridades passadas, o synth-pop oitentista que o The Killers entrega em "Imploding The Mirage" necessita ser digerido com atenção aos detalhes. Alguns momentos realmente soam datados, como numa busca de reeditar hits de sua própria discografia. Contudo, quando a banda acerta, hinos instantâneos são criados, como em "Caution", "My God" e "When The Dreams Run Dry", além, é claro, da faixa título. resenha-imploding-the-mirage-the-killers-2020