Resenha: “Reputation” – Taylor Swift (2017)

Taylor SwiftO sexto álbum de Taylor Swift demorou três anos para finalmente ser lançado e, aparentemente, junto com ele nasceu uma ‘nova Taylor’. O sucessor de ‘1989’ (2014), que saiu dia 20 de novembro, veio para firmar os pés da cantora no cenário da música pop, ato que já estava tomando forma no disco anterior.

Segundo as estatísticas, foram preciso apenas seis minutos para ‘Reputation’ alcançar o topo de vendas no iTunes. Durante a pré-venda, 400 mil cópias já haviam sido vendidas. Mas afinal, com tão pouca divulgação antes da data de lançamento do disco, será que isso consolida o fato de Swift ser um dos nomes mais poderosos da indústria musical atual… ou seria apenas a sua reputação? (brincadeiras à parte).

Neste trabalho, a norte-americana se empenhou em contrastar a sonoridade em relação ao seu último projeto. Enquanto ‘1989’ traz um lado mais contagiante, leve e divertido, ‘Reputation’ não economiza em um som grave e puxado para o eletro-pop.

‘…Ready For It’, faixa que dá inicio ao disco e segundo single divulgado, já apresenta muito do que o público está prestes a ouvir, uma Taylor que vai de sons agressivos a refrões melosos e efeitos sonoros. O único feat do projeto, ‘End Game’, parceria feita com Future e Ed Sheeran, aposta no R&B e lembra canções como ‘Shake It Off’ e ‘Bad Blood’, onde a cantora se arrisca no campo do hip-hop. Esta é uma das faixas com fortes chances de se tornar um single.

Em ‘I Did Something Bad’, Taylor continua no caminho do eletro-pop e não descarta o uso de efeitos na voz. Felizmente, a artista acerta em cheio na sonoridade, com batidas contagiantes e que deixam o ouvinte esperando pelo clássico ‘drop’ do eletrônico. Pasme.

‘Don’t Blame Me’ traz a transição perfeita para a próxima música e inclui até uma imitação de coral, algo novo entre as canções de Swift e que se encaixa perfeitamente na ‘alma’ da letra e no ritmo. Infelizmente, ‘Delicate’ deixa a desejar, os efeitos futuristas colocados na voz da artista certamente incomodam e em determinados momentos parecem até forçados.

O primeiro single divulgado vem para anunciar que o disco está na metade. ‘Look What You Made Me Do’, faixa que causou polêmica por conter tantas indiretas, engana a todos facilmente, já que o produto final vai além de comentários sobre terceiros. Taylor fala muito sobre ela e seus sentimentos, pouco sobre os outros. Aliás, este é o primeiro álbum em que o foco não são desilusões amorosas.

‘So It Goes’, ‘Gorgeous’ e ‘Getaway Car’ são aquele resquício, ou melhor, o lado B de Swift, que ela domina tão facilmente. Romantismo, batidas mais lentas e uma voz limpa, três características que com toda certeza agradaram àqueles que amam a ‘velha Taylor’.

Mas certamente quem comanda esta era é a ‘nova Taylor’ e ‘King of My Heart’ volta a cultuar o eletro-pop. A música é outra boa aposta para virar single e inclusive caiu na graça dos fãs.

Se fosse para definir ‘Reputation’ em apenas uma canção, eu colocaria minhas fichas em ‘Dancing With Our Hands Tied’. A faixa é de longe uma das mais bem produzidas e harmoniosas, um acerto em cheio nas batidas do future bass.

‘Dress’ passa despercebida, mas ainda mantém o ouvinte empolgado por mostrar um lado da cantora que dificilmente é cansativo: sua voz angelical em conjunto com ótimas batidas. A faixa lembra um pouco ‘Wildest Dreams’, um dos singles de ‘1989’.

E para quem achou que o lado divertido da artista não participaria do disco, ‘This Is Why We Can’t Have Nice Things’ vem para provar o contrário. Simpática, irônica e chiclete, um brinde à sucessora de ‘Shake it Off’!

A já conhecida ‘Call It What You Want’ vem para acalmar os ânimos e preparar os fãs para a música mais romântica e puxada para as origens da atual musa pop. ‘New Year’s Day’ fecha com classe o sexto trabalho de Taylor Swift. A balada composta por um simples, mas belo, arranjo de piano e violão encanta a qualquer um.

Não há dúvidas que ‘Reputation’ é um álbum feito de alguns erros, mas muitos acertos. Bem alinhado e com uma composição de letras impecável, a norte-americana mostra que sabe se reinventar a cada projeto lançado e não tem medo de expor suas fraquezas, pensamentos e sentimentos.

Tracklist:

1. …Ready For It?
2. End Game (feat. Ed Sheeran e Future)
3. I Did Something Bad
4. Don’t Blame Me
5. Delicate
6. Look What You Made Me Do
7. So It Goes…
8. Gorgeous
9. Getaway Car
10. King of My Heart
11. Dancing With Our Hands Tied
12. Dress
13. This Is Why We Can’t Have Nice Things
14. Call It What You Want
15. New Year’s Day

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte Taylor Swift, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: Facebook, Twitter, Spotify e Instagram.

REVISÃO GERAL
"Reputation" - Taylor Swift
COMPARTILHAR
Juliane Romanini
Passo a maior parte do tempo escrevendo, procurando por bandas novas, lendo de tudo um pouco, destruindo umas paranoias da minha cabeça e assistindo tudo que vejo pela frente na Netflix. E por favor, make emo great again.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!