Resenha: “Social Cues” – Cage The Elephant (2019)

cage-the-elephant

Na noite deste domingo (26), rolou a 62ª edição do Grammy. Foram várias as premiações e, dentre elas, “Social Cues”, do Cage The Elephant.

O álbum foi o vencedor na categoria “Melhor Álbum de Rock”, competindo com Bring Me The Horizon, The Cranberries, I Prevail e Rival Sons.

- Publicidade -

Ele começa com “Broken Boy”, que já é um faixa para jogar o clima lá para cima, pelo menos no ritmo. Uma canção forte, bateria e guitarra muito presentes, criando um estilo bem punk para o início do disco.

Já a faixa-título, “Social Cues” reduz um pouco o ritmo e apresenta algo mais melódico do que a anterior e com tom mais leve e com mais uso de sintetizadores, o que é um diferencial no disco e no que era feito anteriormente. Pode estranhar no início, mas, dentro deste projeto, encaixou bem.

Na sequência, aparece a “Black Madonna”. Aqui é um exemplo ótimo de como o instrumental com o os toques eletrônicos funcionam muito bem. Além disso, ela puxa para um vocal mais agudo e com um ritmo um pouco mais repetitivo, sem muitas mudanças, se comparada às anteriores.

Apesar de trazer mais destaques à guitarra, “Night Running” destoa negativamente dentro do disco. A parceria com Beck traz uma mistura de pop-rock com tons de reggae, que parece não encaixar. Seu refrão tem uma certa força, ele é cativante, mas não é o bastante para segurar a canção.

- Publicidade -

Uma das melhores deste disco é “Skin and Bones”. Apresenta um refrão bem interessante e envolvente, com uma bateria acelerada ao fundo e toques providenciais de guitarra. A mudança de ritmo no vocal com certos momentos de pausa ficou muito bem feito, dando outra cara à canção.

“Ready to Let Go” já tem mais similaridade com o que o Cage The Elephant fazia anteriormente, então pode agradar mais os fãs. É uma excelente faixa, tem muito potencial comercial, não à toa foi escolhida como single. Está muito bem nesse álbum e, sem dúvida, é um dos destaques.

- Publicidade -

Para dar continuidade à melhor sequência do disco, vem a “House of Glass”, que tem uma boa mistura de punk e rock com vocais mais graves e um bom destaque para o instrumental ao fundo, principalmente a guitarra.

“Love’s The Only Way” é a maior do álbum com quatro minutos de duração. Como ponto positivo ela tem o bom uso de instrumentos de corda, que são o grande diferencial aqui. É um canção mais parada, mas de muita qualidade.

“The War Is Over” é uma excelente canção. Mais animada que a anterior, ela tem um dos melhores refrãos desse novo álbum. Uma música que apresenta uma boa sonoridade e também é destaque no disco.

“Dance Dance” é uma faixa mais enérgica, com uso elevado de sintetizadores e que quebra um pouco a sequência de baladas que vinha. Ela peca um pouco pelo excesso de “oh-oh-ah-ah” durante seus versos, o que a deixa muito repetitiva.

Apesar de iniciar com uma potência maior, “What I Am Becoming” diminui um pouco a intensidade e cai mais para o pop. Seus versos variam bem o ritmo e deixam a faixa mais dinâmica. Seus vocais graves também são um ponto de diferença no álbum.

“Tokyo Smoke” levanta a energia do álbum, começando com uma bela guitarra ao fundo e é uma excelente composição. É uma faixa que levanta a qualidade do álbum e é um dos destaques.

Por fim, aparece “Goodbye”, que tem, em seu início, toques de piano lentos e graves, combinando com os vocais. Bem melódica e, possivelmente, a mais sentimental do álbum, ela foi uma excelente escolha para o encerramento.

Em “Social Cues”, Cage The Elephant apresenta mudanças em sua sonoridade com boa adição de sintetizadores e uma variação grande no ritmo dentro do disco. As letras, por sua vez, são todas mais pesadas, que abordam crise no relacionamento e problemas com a fama. Com isso, conseguem realizar um álbum muito bom, tanto em composição de letra, quanto na parte instrumental.

Deixe seu comentário no final dessa publicação, marque seus amigos que também curtem Cage The Elephant, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Facebook, Instagram e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - clique aqui e cadastre-se. Muito obrigado pela visita e por ler essa matéria!

- PUBLICIDADE -


RESUMO

Em “Social Cues”, Cage The Elephant apresenta mudanças em sua sonoridade com boa adição de sintetizadores e uma variação grande no ritmo dentro do disco. As letras, por sua vez, são todas mais pesadas, que abordam crise no relacionamento e problemas com a fama. Com isso, conseguem realizar um álbum muito bom, tanto em composição de letra, quanto na parte instrumental.

Deixe seu comentário!

#Publi

Últimas

Green Day: Billie Joe lança cover de Johnny Thunders

O Green Day iniciou nesta segunda-feira (30), um projeto chamado "No Fun Mondays", onde divulgarão um cover toda semana, até que o período de...

Bishop Briggs divulga bastidores de últimos videoclipes lançados

Bishop Briggs divulgou nesta segunda-feira (30), através de seu canal oficial no Youtube, uma serie de momentos reunidos em um vídeo. As cenas são registros...

Selva e Di Ferrero unem forças em novo single “Me Deixa Cantar”

O duo eletrônico Selva e o cantor Di Ferrero lançaram na sexta-feira (27) a parceria "Me Deixa Cantar" nas plataformas digitais. A faixa foi escrita por...

Sam Smith adia lançamento de álbum, que terá título alterado

O cantor Sam Smith comunicou nesta segunda-feira (30) que adiará o lançamento do próximo disco, terceiro da carreira, por conta da pandemia do coronavírus...

The Weeknd divulga versão deluxe de álbum com três músicas inéditas

O canadense The Weeknd lançou no último domingo (29) através do seu canal oficial no YouTube e também pelos serviços de streaming, três músicas...

#Publi