Resenha: “Changes” – Justin Bieber (2020)

Justin Bieber
Foto: Divulgação.
- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

Após um longo período sabático, apenas fazendo colaborando com outros artistas, Justin Bieber lançou o tão esperando “Changes”. O disco não apenas se propôs em colocar o cantor nos holofotes novamente por sua música, mas também a mostrar que seu comportamento e imagens haviam mudado.

- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

O disco é aberto com “All Around Me“, que tem um tom bem romântico, assim como, já avisando, todo o resto do álbum. A letra é bem pessoal e nela Bieber trata o fato de nunca ter pensado em conseguir ser fiel à pessoa amada, neste caso, Hailey Bieber, com quem se casou em 2019.

- ANUNCIE AQUI -

Os fãs estavam com a expectativa alta para o lançamento de “Habitual” e ela chega como uma das faixas mais fortes da produção, remetendo aos melhores trabalhos anteriormente lançados pelo cantor. O tema a gente não precisa nem dizer, né? Justin está apaixonado e isso fica bem claro em todas as composições presentes aqui.

- ANUNCIE AQUI -

Flertando um pouco com o R&B mas acertando em cheio em um pop sem muita originalidade, “Come Around Me” não tem nenhum grande momento e nem vocais excepcionais. Eu diria que o falsete utilizado no refrão dá uns pontos extras à canção.

- ANUNCIE AQUI -

A primeira colaboração acontece em “Intentions“, com a presença de Quavo. A escolha foi interessante já que o rapper está em alta, mas isso não torna a canção menos fraca. Não é original e troca o famoso “você não precisa de maquiagem” por “você não precisa de filtros”.

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- ANUNCIE AQUI -

Chegamos ao primeiro single divulgado do disco, o primeiro contato que tivemos com Bieber após sua pausa. “Yummy” não foi bem recebida e fica bem claro o porquê: a letra não faz lá muito sentido e o refrão é fraco. A batida é daquelas que fica na cabeça, mas não de uma boa maneira.

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- PUBLICIDADE -

Available” é, bem, um pouco similar as faixas que ouvimos anteriormente. Novamente ouvimos sobre seu amor para com sua esposa e também não há uma grande mudança nos vocais. Nenhum grande destaque.

As coisas melhoram em “Forever“, que possui não apenas um mas dois convidados: Post Malone e Clever integram a faixa. Nela sim podemos ouvir uma batida contagiante, sua maneira mais rápida de ser cantada é interessante e as participações foram uma adição bem bacana.

- ANUNCIE AQUI -

Outra parceria aparece em “Running Over“, com Lil Dicky. Um R&B suave, com uns toques de eletrônica e vocais bem arranjados. É bastante semelhante ao que Justin havia feito em “Journals”, onde a contribuição do rapper chega com determinada leveza.

Diminuindo um pouco e ritmo e mirando num romanticismo sem exageros com “Take It Out On Me“, Bieber se declara das mais diversas maneiras e variações, prometendo ser a força que sua parceira precisa e o apoio com quem ela pode contar a qualquer momento.

- ANUNCIE AQUI -

O elogio em “Second Emotion“, que vem com Travis Scott e conseguiu mesclar bem o ritmo característico do rapper com o som que Justin Bieber propôs para o disco. Mesmo não sendo uma das maiores faixas presentes, ela consegue carregar a personalidade dos dois artistas.

A avalanche de contribuições é encerrada com chave de ouro em “Get Me“, com Kehlani. Uma canção sensual, onde ambos parecem estar flertando o tempo todo, com vocais provocantes e um ritmo misterioso.

- ANUNCIE AQUI -

E falando em similaridades, o primeiro pensamento que vem à mente ao ouvir “E.T.A.” é que “All That Matters” está prestes a começar. A culpa pode ser colocada inteiramente na melodia, que é praticamente idêntica.

A faixa-título é, como já era se imaginar, bem emocionante. “Changes” parece canalizar tudo o que o cantor sempre quis dizer com relação ao seu crescimento, maturidade, as incertezas da vida e de seus relacionamentos. A mensagem principal é de que ele quer sempre dar e ser o melhor de si.

- ANUNCIE AQUI -

Suavidade e delicadeza são as melhores palavras pra definir “Confirmation“, que é quase acústica, de tão pouco que ouvimos o instrumental. É novamente uma homenagem à sua esposa e parece ser direcionada aos votos feitos no casamento.

Bem sincerona, “That’s What Love Is” fala sobre – dã – amor. O músico expõe toda a sua nova visão sobre o sentimento, o que lhe causa e como ele enxerga o mundo após ter encontrado a pessoa certa para estar ao seu lado.

- ANUNCIE AQUI -

Para finalizar, temos “At Least For Now” tem momentos incríveis vocalmente falando, e é interessante perceber que Justin ainda possui todo esse domínio e parece ter encontrado exatamente seu som.

Toda a premissa de “Changes” era mostrar justamente essa mudança de Justin Bieber tanto publicamente como pessoalmente. O cantor utilizou as canções e toda a promoção em volta do disco para mostrar que amadureceu e que encontrou em sua esposa tudo o que buscava e precisava para mudar de vida. Se a imagem que o público tinha dele mudou não sabemos, mas o álbum está sendo um sucesso e definitivamente passa a mensagem que tanto lhe foi proposta.

- ANUNCIE AQUI -

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Justin Bieber, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.


Caso este player não carregue, por favor, tente acessa-lo clicando aqui. Siga a NM no Instagram e Twitter

- PUBLICIDADE -
RESUMO DA RESENHA
Resenha: “Changes” – Justin Bieber (2020)