Nos últimos anos o 3OH!3 vem cravando o seu nome no cenário pop mundial. Com muitos hits radiofônicos e grandes parcerias o dueto formado por Nat Motte e Sean Foreman acabou de lançar o seu quarto disco de estúdio e está em turnê divulgando o trabalho intitulado “Omens“. A banda estava com shows marcados para o Brasil, como você acompanhou aqui, mas as apresentações tiveram suas datas alteradas pela produtora e devem acontecer no final do ano. O Nação da Música bateu um papo com Sean um pouco antes da notícia do adiamento da turnê. Confira!

Nação da Música: O 3OH!3 acabou de lançar o seu novo álbum, “Omens”. Como foi o processo criativo da banda? Vocês se envolveram diretamente com a produção de todas as faixas do disco, como que isso afetou o resultado final do trabalho?

Sean Foreman: Nat e eu queríamos voltar as origens neste álbum. Nós escrevemos, gravamos e mixamos quase tudo no estúdio do Nat, também conhecido como o seu porão. Nós também queríamos que o processo de composição fosse divertido para que isso refletisse no produto final. Esperamos ter captado esta energia em “Omens”.

Nação da Música: O 3OH!3 ficou conhecido por suas parcerias com grandes nomes da música, como Katy Perry e Ke$ha. Alguns fãs estão se perguntando: por que não temos nenhuma música com participações especiais em “Omens”?

Sean Foreman: Embora não tenhamos Katy ou Ke$ha, nós tivemos a oportunidade de trabalhar com alguns amigos nossos em algumas músicas. Trabalhamos com Greg Kurstin, SILAS e Joe Trapenese e aprendemos muito com eles. Eles definitivamente adicionaram muito no resultado das nossas músicas. Além disso nós não nos damos bem com garotas, elas têm piolhos!

Nação da Música: Como que foi trabalhar com esses grandes nomes da música pop? E qual a importância destas parcerias para espalhar o nome do 3OH!3 ao redor do mundo?

- PUBLICIDADE -

Sean Foreman: A gente aprendeu muito! Trabalhar com a Katy foi incrível. Ela realmente tem uma melhores vozes do Pop, sem falar em um dos melhores corpos (risos). Além disso nós adoramos construir relações com artistas talentosos que são trabalhadores. Esperamos continuar crescendo e trabalhando com novos artistas. Nat ajudou na composição do novo single do Maroon 5, “Love Somebody” e nós temos duas músicas no novo disco do Karmin. Nós estamos muito animados!

Nação da Música: Vocês estão voltando ao Brasil! Quais as memórias que vocês tem de sua última passagem por aqui, em 2010? O que os fãs podem esperar das apresentações por aqui?

Sean Foreman: Os fãs do Brasil são únicos. Eles nos apoiam em qualquer coisa que façamos, seja um vídeo engraçado na internet ou fazendo festa nos shows. As pessoas realmente sabem como te tratar bem no Brasil. Nós não tivemos somente ótimos shows por aí, como tivemos dias incríveis conhecendo muitas cidades. Eu estou sempre animado por viajar pelo Brasil e tocar para os fãs brasileiros.

Nação da Música: O 3OH!3 seria uma das atrações principais do “Next Generation Fest”, ao lado de nomes como All Time Low, Breathe Carolina entre outros. Quais dos seus companheiros de lineup vocês estão curiosos para ver ao vivo?

- PUBLICIDADE -

Sean Foreman: Apesar da apresentação ter sido cancelada devido a problemas com o produtor nós estaremos de volta ainda este ano para fazer o show! Nós prometemos que será maior e melhor.

Nação da Música: “Omens” foi lançado durante o verão norte-americano, enquanto a banda é uma das atrações principais da Warped Tour. Para vocês, qual a importância de lançar um novo trabalho durante um evento tão popular e de grande importância para os fãs do 3OH!3?

Sean Foreman: A Warped Tour é uma ótima turnê. Não existe nada melhor do que lançar novas músicas e ver como que os seus fãs vão responder a elas na Warped. Eu acho que os fãs da Warped Tour são os mais honestos e dedicam-se muito à música. Eu consigo me relacionar com isso; essa é a maneira que eu sempre ouvi música. Então, você acaba recebendo muito feedback dos fãs por lá e, para ser honesto, não existe sensação melhor que estar fazendo festa com o público na Warped. Foi muito divertido fazer estes shows no verão e pensar que várias pessoas, que não fariam isso em outro caso, ouviram “Omens”.