Analiss
Divulgação/Facebook

Analiss é cantora, compositora e tem Bacharel em canto lírico. Apesar de ainda não ser um nome tão conhecido do público, ela está na luta pela carreira musical já tem 15 anos.

Como artista solo, Analiss tem um EP acústico de 2016, “Coisas da Vida”, e aposta em parcerias para alavancar a carreira. Em 2018 lançou o single “Acertei na Mosca”, com produção musical de Jeff Pinas, músico conhecido, principalmente, por seu trabalho com o duo Anavitória. Em “Acertei na Mosca”, Analiss canta toda a felicidade que “sentimos quando amamos e somos amados”.

A Nação da Música teve a oportunidade de conversar com Analiss sobre o novo single, projetos futuros e também sobre novas parcerias.

Entrevista feita por Giovana Romania.

——————————————————————————————————————— Leia a íntegra

Como você definiria o seu som? Quais os ritmos, estilos e inspirações?
Analiss: Para falar a verdade, estou denominando meu som como pop, apesar de ser algo bem amplo. Talvez mais para frente eu consiga colocar meu som em uma segmentação mais definida, ainda estou me conhecendo como artista solo. Gosto de ritmos mais alegres como eletrônico, pop, rock e reggae, por exemplo. Tudo começou quando me apaixonei pela guitarra, então minhas primeiras inspirações foram grandes guitarristas. Foi aí quando comecei de fato entrar de cabeça no mundo da musica. Tudo que escuto hoje tem me inspirado, tenho ouvido diversos estilos musicais, e tudo que está rolando atualmente. Ando me inspirando muito nas coisas que leio também, desde poemas, histórias e outros tipos de livros, que acrescentaram muito ao meu repertório textual.

Como foi a experiência de gravar um EP acústico? Conte-nos sobre o processo.
Analiss: Esse EP somou demais na minha vida, eu cresci muito como pessoa durante todo o processo. Foi meu primeiro trabalho como artista solo, todas as canções são auto-biográficas, falam de coisas que vivi e estava vivendo. No princípio era para ser realmente um acústico baseado em voz e violão com uma instrumentação bem leve, mas acabei optando por uma instrumentação mais completa durante o processo. O EP teria sete musicas, então fui compondo, gravando e lançando uma por vez com clipe. De qualquer forma, mantive o nome de “Acústico” porque o violão ocupou a função de instrumento principal em praticamente todas as canções.

Existe a pretensão de trabalhar em um álbum solo completo, certo? Você já tem planos prontos, por exemplo, algumas composições, uma imagem que quer seguir nele?
Analiss: Não pretendo fazer álbuns no momento, provavelmente apenas singles ou um EP com três faixas no máximo. Já tenho algumas composições prontas e pretendo seguir uma linha diferente desse EP. Ele foi um trabalho especial, não pensava em seguir alguma linha de trabalho quando o fiz, mas apenas contar minhas histórias em forma de música.

Fale um pouco sobre “Acertei na Mosca”. Como foi trabalhar com Jeff Pinas?
Analiss: “Acertei na Mosca” foi diferente de tudo que já fiz, não me lembro de ter colocado uma pitada reggae em nenhuma música minha anteriormente, mas amei tanto que agora quero colocar sempre. Quando fiz essa composição, ela não tinha esse toque reggae, mas um amiga me apresentou o ukulele, logo após eu comprei esse instrumento e toquei “Acertei na Mosca” em reggae, adorei e foi como preferi gravar. Conhecer e trabalhar com o Jeff foi um prazer enorme. Além de um músico sensacional, [ele] é também uma pessoa fantástica, com uma energia contagiante. Ele conseguiu colocar toda a bagunça da minha cabeça em ordem e fazer uma produção linda que amei demais.

Você sonha em colaborar com alguém? Quem? Por quê?
Analiss: Eu estou fazendo composições para outros artistas também, vamos ver como isso vai rolar. Talvez eu faça algumas parcerias mais para frente, mas não tenho nada engatilhado para isso. Acredito que as próximas musicas não terão participações.

Especificamente para essa segunda metade do ano, quais são seus planos?
Analiss: Pretendo lançar as novidades a partir de agosto. Musica inédita com videoclipe ou webclipe. Mesmo que eu opte por um EP, vou lançar cada música como single, uma por vez e depois fechar o EP como já fiz anteriormente.

Como artista, como você enxerga sua evolução? Passando por todas as etapas que você teve que passar, elas te ensinaram o quê?
Analiss: Eu evolui muito. É até engraçado às vezes olhar bem lá para trás e ver nitidamente a própria evolução. Sou paranaense e o meu crescimento como pessoa depois que me mudei para São Paulo fez muita diferença no meu som e ainda está fazendo até agora. Aprendi muita coisa com situações e pessoas importantes que somaram muito na minha musicalidade. Momentos ruins me fizeram começar uma busca pelo autoconhecimento e isso tem sido algo importante para mim. Meu objetivo continua sendo musicar sentimentos, paixões e histórias.

Para finalizar, você quer mandar algum recado para os leitores do Nação da Música?
Analiss: Quando se tem um objetivo, nem sempre temos todas as ferramentas para alcançá-lo, mas isso não pode nos desmotivar, muito pelo contrario. Acreditar, buscar conhecimento necessário pra chegar cada vez mais perto tem que ser o nosso foco. O mundo esta em constante evolução, se inspire em seus ídolos do passado, mas busque tendências atuais e se pergunte todo dia: ‘O que você fez hoje pra chegar um pouco mais perto do seu sonho?’

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte Analiss, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: Facebook, Twitter, Spotify e Instagram.