Bandas de A-Z: Especial The Script (Quarta Parte – Clipes)

The Script

Chegamos na última parte do especial do The Script aqui na Nação da Música. Nesta semana conheceremos um pouco da videografia dos irlandeses que, desde 2008, já lançaram mais de 15 registros videográficos. O primeiro deles foi para “We Cry”, que contou com a direção de Charles Mehling. Mehling não foi o responsável por “The Man Who Can’t Be Moved”, mas voltou a assinar os clipes do The Script na sequência, com as produção de “Breakeven” e “Talk You Down”. O álbum de estreia do grupo ainda contou com um vídeo para “Before The Worst”.

Em 2010 o The Script lançou o seu segundo disco “Science & Faith”, e com ele mais um grupo de singles e clipes para conquistar ainda mais os fãs. Os três primeiros vídeos do registro foram dirigidos novamente por Charles Mehling, para as músicas “For The First Time”, “Nothing” e “If You Ever Come Back”. A parceria com Mehling foi encerrada em “Science & Fait”, último single do registro, que contou com a direção de Ethan Lader.

Lader continuou com o The Script no lançamento do disco “#3”, sendo o responsável por assinar o vídeo para o single de estreia do registro, “Hall Of Fame”. Na sequência foi a vez da banda trabalhar com o diretor Phil Harder, em “Six Degrees Of Separation”. Encerrando os vídeos para a divulgação de seu terceiro disco, os irlandeses lançaram dois clipes ao lado do diretor Paul Banks, “If You Could See Me Now” e “Millionaires”.

O mais recente disco do grupo, “No Sound Without Silence”, que foi lançado em setembro de 2014, já conta com três videoclipes. O primeiro deles foi “Superheroes”, dirigido por Vaughan Arnell, seguido de “No Good in Goodbye”, de Charlie Lightning. O mais recente clipe do The Script foi lançado em 2015, e é para a música “Man On a Wire”. O vídeo nas alturas foi dirigido por Frank Borin.

COMPARTILHAR
Vicente Pardo: Editor do Nação da Música desde 2012, formou-se em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas em 2014. A música sempre foi sua paixão e não consegue viver sem ela. É viciado em procurar artistas novos e não consegue se manter ouvindo a mesma coisa por muito tempo. Também é um apaixonado por séries de TV e cultura pop.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!