Brandon Flowers reflete sobre erros do passado em entrevista; Leia Mais

- PUBLICIDADE -
Brandon Flowers
Créditos: Rob Loud.
blank

Nesta quinta-feira (09), a revista Interview publicou uma entrevista com Brandon Flowers e Phoebe Bridgers, onde eles refletiram sobre suas carreiras.

Na conversa, além de falarem sobre como estão lidando com a pandemia, a dupla também conversou sobre as experiências que tiveram ao longo da vida, suas experiências em rodeios, os artistas que ouviram enquanto cresciam e, inusitadamente, sobre “Karatê Kid – a Hora da Verdade” por causa da famosa roupa de esqueleto de Bridgers.

Ao ser questionada por Brandon sobre como se apaixonou pela música e o que tocava na rádio na época, Phoebe disse: “Eu tive bastante sorte de ter pais que gostam muito de música então, não lembro exatamente o que estava tocando nas rádios na época. Na verdade, The Killers, Bright Eyes e Elliott Smith foram alguns dos primeiros nomes que eu descobri sozinha. Mas eu cresci ouvindo muito Townes Van Zandt, Tom Waits, Nina Simone, Jackson Browne”.

“Mas acredito que eu tenha me apaixonado por música um pouco cedo demais. Eu abri a boca para cantar quando tinha 6 anos, minha mãe falou ‘Ela vai ser famosa’, revelou. “Acho que ela me encheu de autoconfiança. E quando eu tinha 12 ou 13 anos, comecei a escrever canções e acho que eu tinha um pouco de complexo de Deus declarando coisas como ‘Sim, eu sou o Bob Dylan. Aqui estou eu'”, finalizou a cantora.

Quando questionado sobre o que tem ouvido nos últimos tempos, o vocalista do The Killers revelou que ultimamente tem trabalhado nos últimos ajustes do próximo álbum de sua banda, contando que falta apenas masterizar uma faixa. Ele também falou que seu processo criativo está diferente, devido ao fato de a turnê ter sido adiada.

“Mas algo interessante aconteceu; eu continuei escrevendo quando o isolamento começou. Geralmente, nesse momento em que o álbum está finalizado, eu estou me arrumando para partir em turnê. Meu cérebro entrou em um ciclo infinito de escrita”, contou.

Inicialmente, o disco “Imploding The Mirage” deveria ter sido lançado em 29 de maio porém, a data foi postergada e uma nova ainda não foi definida. Por outro lado, Phoebe Bridgers antecipou em dois dias a divulgação de “Punisher”.

Mais uma vez, Brandon Flowers relembrou o início da carreira e falou sobre os erros que cometeu no passado, quando pensou que seria legal falar mal das pessoas para ganhar respeito no meio artístico:

“Eu cresci idolatrando o Oasis e, eles escreveram ótimas músicas, mas também foram grandes faladores de ******. Por alguma razão, eu pensei que isso fazia parte para ganhar respeito. E eu não sou assim de jeito nenhum, mas existem algumas pessoas que eu acabei ligando e pedindo desculpas mais tarde”, declarou.

Ele cita John Mayer como uma dessas pessoas e contou que o cantor foi bastante amável na ocasião. Durante entrevista concedida à Rolling Stone e publicada em 2005, respondeu que “Daughters” era uma música que ele odiava naquele momento. À Interview, o autor de “Crossfire” mostrou o quanto mudou com a seguinte frase: “O mundo não precisa de mais negatividade”.

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Brandon Flowers e Phoebe Bridgers, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, YouTube, Facebook, Instagram e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - clique aqui e cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.

- PUBLICIDADE -