Entrevista: A Banda Mais Bonita da Cidade fala sobre novo disco

A Banda Mais Bonita da Cidade
Marco Novack

A Banda Mais Bonita da Cidade acaba de lançar o terceiro disco da carreira, “De Cima do Mundo Eu Vi o Tempo“, com 9 músicas incluindo “Tempo“, que já tem até videoclipe.

A Nação da Música conversou com a vocalista da banda, Uyara, sobre o novo trabalho, carreira independente, feminismo e inspirações.

Entrevista por Maria Victoria Pera Mazza

————————————————————————————————————— Leia a íntegra

Vocês acabaram de lançar o álbum “De Cima Do Mundo Eu Vi O Tempo” e por ser o terceiro acredito que ele consolide ainda mais vocês enquanto banda e também até um pouco do amadurecimento através do anos. O que ele significa pra vocês?
Uyara: Exatamente isso o que você falou! Tenho a sensação de que, claro que isso não é uma regra, mas a sensação de que o último é sempre mais maduro porque a gente caminhou mais para fazê-lo. E esse terceiro álbum é exatamente isso. A gente tem uma história super diferente onde um vídeo nosso estourou da noite para o dia, fizemos o primeiro disco em uma correria, uma pressão, sem entender exatamente o que a gente gostaria de fazer, foi dentro de uma circunstância muito urgente, muito rápida e um pouco assustadora.

E aí o nosso segundo disco, “Mais Feliz da Vida”, foi praticamente o primeiro, na verdade, porque foi o primeiro que conseguimos fazer no nosso tempo, entendendo de fato o que a gente queria como sonoridade, como conceito. Então, esse foi o disco que começamos a compreender melhor o nosso trabalho. Já tínhamos uma estrada do primeiro para o segundo e agora uma estrada maior ainda para o terceiro. É isso. Quanto mais a gente roda, quanto mais a gente toca, quanto mais a gente encontra parceiros, mais a gente potencializa o nosso trabalho, a gente amadurece, compreende o que queremos falar, que som queremos trazer, qual conceito queremos trazer. Acredito que esse disco seja, na minha opinião pessoal, o mais maduro mesmo. Nosso trabalho onde nos compreendemos melhor do que o primeiro e o segundo, especialmente do que o primeiro.

E por falar no terceiro álbum, estava ouvindo e prestando atenção nos nomes das músicas… “Inverno”, “Trovoa”, “A Geada”, “A dois”… Tenho a impressão que esse álbum pode ser uma espécie de aconchego nos dias mais frios. Estou certa?
Uyara: Se o disco é um aconchego para os dias frios, o público que vai dizer (risos). Cada um relaciona cada música ou o disco todo a sua maneira e seu repertório. Mas eu fico muito feliz que tenha tido essa sensação de aconchego porque, embora eu acredite que ele seja um disco forte, a sensação de aconchego é sempre uma coisa tão boa e eu acho que o mundo está tão sem colo, o mundo tá tão doido, tem tanta coisa estranha acontecendo, tanta coisa bizarra, que me faz muito feliz ler sobre o que você escreveu. Eu acho que quanto mais a gente puder sentir a sensação de aconchego, de colo, mais esperança podemos ter dentro desse contexto louco que tá o mundo. Seja um aconchego de inverno, seja qual tipo for, se esse disco ecoa de uma maneira positiva, de uma maneira boa, já me deixa muito feliz porque acho que a gente precisa lembrar da parte boa, já que o mundo está nos dizendo o tempo inteiro a parte ruim.

A história do início de A Banda Mais Bonita da Cidade, quando vocês divulgaram uma música meio que despretensiosamente no YouTube e virou sucesso, todo mundo já conhece. Mas como é perceber que o trabalho tem sido reconhecido por todos esses anos?
Uyara: Essa foi uma história muito louca. Hoje em dia diria que foi uma história assustadora. 2011 foi o melhor e o pior ano pessoalmente. Melhor por motivos óbvios e o pior por motivos óbvios também porque, de alguma maneira, também foi um susto um pouco violento com tudo o que aconteceu. Mas nos trouxe muitas coisas boas, nos trouxe o nosso trabalho hoje, nos trouxe esse disco, nos trouxe a nossa carreira, o público, nos trouxe a coisa que eu mais amo fazer no mundo que é tocar nessa banda. Então, foi um pouco assustador o que aconteceu em 2011. No entanto, o desdobramento disso é a coisa mais preciosa da vida, é a construção de um público, é a gente conseguir chegar em um número de pessoas e de alguma maneira transformar a vida delas.

Eu antigamente tinha um pouco de medo de parecer pretensiosa em dizer isso, mas eu tô compreendendo que não porque todos os dias eu recebo mensagens, todos os dias eu recebo feedbacks de pessoas, cada um com a sua história de transformação diante do nosso trabalho, e é isso. Se a gente puder continuar fazendo isso, tudo valeu a pena. Muito bonito olhar para a nossa trajetória. Eu era uma menina muito assustada em 2011 e bancando toda aquela coisa que aconteceu, não sendo cantora e, mesmo assim, estando a frente de uma banda. Hoje em dia me sinto muito aterrada e muito feliz com a minha escolha de ter bancado tudo isso o que aconteceu. Espero cada vez poder comunicar mais com esse público que cresce tanto e também poder agradecê-los sempre.

Como é ser uma mulher vocalista de uma banda dentro da cena musical brasileira? Já sofreu algum tipo de preconceito por ser uma presença feminina forte no meio?
Uyara: Não, eu nunca sofri nenhum preconceito por ser a única mulher da banda e por estar a frente dela. No entanto, eu acho que talvez só agora eu entenda o tamanho da importância disso. Eu sempre fiquei muito insegura em levantar bandeiras, eu sempre fiquei insegura em me colocar porque quando a gente tem uma exposição grande, às vezes o retorno é bastante violento, e aí você se sente insegura em expor as coisas que pensa.

Mas chegou uma hora que eu entendi que o feminismo era a minha bandeira e que se eu pudesse comunicar o meu público sobre as questões feministas, sobre as questões de desigualdade, sobre as questões dessa merda toda que é viver em um país, em um mundo, onde a gente é completamente oprimida e negligenciada sexualmente, profissionalmente, emocionalmente e tudo. Então eu entendi que ser uma mulher a frente de uma banda era uma coisa muito grande, muito importante, e eu venho desde então levantando essa bandeira e usando esse canal que eu tenho de comunicação com o público para tentar realmente, de alguma maneira, transformar mais uma vez um pouco esse cenário triste que a gente tem sobre o machismo e sobre todas essas coisas.

Os clipes de A Banda Mais Bonita da Cidade são muito bem produzidos. Como surgem as ideias para as gravações? Aliás, pretendem investir neste lado visual com o último disco também?
Uyara: A gente tem muitos amigos talentosos que trabalham com audiovisual e, normalmente, o que fazemos é tentar juntar essas pessoas. Esse clipe de “Tempo”, único feito até agora desse último disco, foi feito pelo Biel Gomes, que é um amigo muito querido, e pela namorada dele, Julia, que fez a produção. Eu queria muito trabalhar com eles faz um tempo porque admiro muito o trabalho deles, acho que eles fazem algo muito sensível e, finalmente, a gente conseguiu gravar um clipe juntos. Então é isso, juntamos pessoas que admiramos, que amamos, apresentamos o nosso trabalho e, mais ou menos, o que gostaríamos e pensamos juntos onde é que esse trabalho vai chegar. Mas a verdade é que temos amigos muito talentosos nessa parte do audiovisual, na parte das imagens e a gente pode sempre contar com a colaboração, com a criatividade e o trabalho maravilhoso dessas pessoas.

Basta fazer uma breve pesquisa sobre uma banda pela internet que vemos vários rótulos. A Banda Mais Bonita da Cidade, por exemplo, se encaixam em MPB e também indie rock… Você acredita que isso pode limitar uma banda no geral? No sentido de que uma mudança pode causar estranheza entre os fãs que esperam sempre o mesmo tipo de som?
Uyara: É sempre muito difícil dar esse títulos. As pessoas perguntam “tá, mas o que vocês tocam?”. Eu sempre fico meio sem saber o que responder porque é uma mistura de coisas, entendeu? Tem a música que é mais singela, que é violão e voz, que poderia ser uma coisa encaixada nas MPB. Tem músicas que são super chapação com instrumental longo, guitarras, com coisa fortes que poderia ser rock, que poderia ser indie. A questão é que a gente pode ser tudo, a gente pode ser o que a gente quiser. Criamos coerência nas coisas dentro da narrativa do disco. A gente pode, se quisermos, fazer um disco só de uma coisa, mas não queremos. A gente quer estar aberto para a criação e não acho que deixa de ter uma unidade por causa disso. A unidade está na sonoridade, na condução, na narrativa do disco como um todo. Isso não necessariamente quer dizer que você está preso para ter uma unidade, preso a um estilo. Eu me importo pouco com a nomenclatura do que a gente faz. Me importo mais com o efeito, como afeta. É muito mais legal do que pensar na nomenclatura.

E sobre o som se transformar, acho que a gente vai crescendo, vai se transformando, e o público também. Não adianta a gente fazer uma coisa que não é honesta. O mundo se transforma, o tempo passa, cada um vive mil coisas e isso se transforma pessoalmente, profissionalmente. Isso tudo interfere no nosso trabalho. Chega uma hora que queremos evoluir para outras coisas e traçar novos caminhos. Eu acho que todo mundo passa por essas coisas, então, eu sinto que o público tem crescido junto com a gente. Começamos muito jovens com um público muito jovem. A medida que vamos crescendo, eles vão crescendo também em unidade, em emoção. Então, não tenho medo do público estranhar a sonoridade nova ou qualquer coisa assim. Acho que todo mundo tem suas fases e em alguma fase encaixa a nossa (risos).

A Banda Mais Bonita da Cidade segue lançando seus discos de maneira independente. Da sua experiência, quais as vantagens e desvantagens – se é que elas existem – de se manter assim?
Uyara: Acho que tem muitas vantagens e desvantagens nos dois lados. Pessoalmente, eu gosto de ser uma banda independente porque eu gosto de ter autonomia criativa pra mostrar o meu trabalho. É ruim quando uma pessoa de fora e que não viveu nada da nossa trajetória de repente querer direcionar a banda em uma coisa que não é genuína, que não é um movimento natural. Então, pra mim, a melhor coisa de ser uma banda independente é a autonomia criativa, a gente poder escolher o que quer fazer, cantar da maneira que quisermos. Se eu faço algo que não quero fazer, isso não vai comunicar ninguém porque o que comunica é o que é genuíno, o que é honesto. Acho que tem muitas desvantagens também, é muito difícil ser independente, é fodido, é um monte de coisa, mas a gente tem conseguido viver do nosso trabalho e tem conseguido. Às vezes a gente tem mais trabalho, às vezes tem menos trabalho, às vezes ganha mais, às vezes menos. Mas pra gente, a instabilidade geral de ser uma banda independente ainda é menor do que o prazer da autonomia do trabalho.

Poderia deixar um recado para os fãs que acompanham a Nação da Música?
Uyara: Eu gostaria de agradecê-los por acompanhar o nosso trabalho. A gente faz as coisas por uma via muito afetiva, por uma via muito do coração. Não é sempre fácil, nem sempre a gente acha que vai dar tudo certo, no entanto, eu não acredito em um outro momento que não seja esse. Vocês são fundamentais e nesse caminho, então, que a gente possa seguir juntos: vocês nos acompanhando e a gente podendo trocar nessa estrada louca e linda que é estar vivo.

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte A Banda Mais Bonita da Cidade, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: Facebook, Twitter, Spotify Instagram. Ouça o álbum “De Cima do Mundo Eu Vi O Tempo” abaixo:


COMPARTILHAR
Formanda em jornalismo, considera a música uma de suas melhores amigas e poderia facilmente viver em todos os festivais de música. Banda preferidas? McFLY e Queens of the Stone Age.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!