Entrevistamos Delacruz sobre “Nonsense Vol. 2” e colaborações musicais

- PUBLICIDADE -
blank
Foto: Guto Costa

Na última sexta-feira (06), Delacruz liberou nas plataformas digitais o EP “Nonsense Vol. 2”, segunda parte do disco de estreia. O trabalho conta com participações de YOÙN e Kevin O Chris. 

A Nação da Música teve a oportunidade de conversar com o cantor e compositor sobre a criação do álbum, as colaborações musicais, a participação no Rock in Rio e também sobre o que o aguarda em 2020.

Entrevista por Marina Moia.

——————————————— Leia a íntegra:
Olá, Delacruz! Obrigada por falar com a Nação da Música! Neste dia 06 vai a público o segundo volume do EP “Nonsense”. Como foi o processo criativo e de gravação deste trabalho como um todo? Pra você, há muita diferença entre um volume e outro ou são complementares?
Delacruz:  Acho que não existe uma diferença. Tanto o primeiro volume como o segundo volume foram feitos com a mesma ideologia, podemos classificar desse jeito. Então não existe muita diferença. A única foi o tempo mesmo e a estratégia de fazer dividido.

E por que a decisão de lançá-lo em duas partes?
Delacruz: Como eu pontuei, foi uma estratégia. Pra se adaptar ao processo da internet, que tem uma quantidade de conteúdos muito grande e tem gente lançando música todos os dias. É preciso entender isso e se adaptar. De certa forma foi uma estratégia que facilita pro público a adaptação, se acostumar, gravar as cinco músicas é bem mais fácil do que gravar dez. Ao mesmo tempo, é funcional pra nós porque a gente mantém uma sequência de lançamentos. E é necessário hoje em dia, principalmente um artista como eu em início de carreira, estar sempre lançando uma coisa ou outra, sempre com a responsabilidade de não deixar a qualidade cair.

Tanto no volume 1 como no 2, temos diversas colaborações musicais. Conta pra gente como foi receber essas pessoas em estúdio e como funcionou a escolha dos nomes para participar deste projeto com você?
Delacruz: Foi muito fácil porque na minha concepção não basta ser bom músico, tem que ser uma boa pessoa também. Eu colaborei com pessoas que eu conhecia e admirava. Não falo só sobre o trabalho, mas são pessoas que eu pergunto “e ai, como você está? Como vai a família?”. Foi muito tranquilo, muito fácil. São todas pessoas simples. Luccas Carlos, Kevin O Chris, Camila, Hariel, os meninos do YOÙN, todo mundo. Todos são pessoas maravilhosas e muito talentosas também. A escolha desses nomes foi a dedo. Eu que escolhi, senti que essas pessoas se encaixaram perfeitamente em cada música respectivamente.

Com quem mais você gostaria de colaborar no futuro?
Delacruz: Poxa, eu tenho muitos ídolos. Eu gostaria de colaborar com muitas pessoas. Mas se fosse pra escolher uma pessoa, eu escolheria o Zeca Pagodinho. 

Ano passado, além do volume 1, teve a participação mais do que especial no Espaço Favela do Rock in Rio! Como foi a experiência?
Delacruz: O Espaço Favela foi incrível. Foi a primeira apresentação com uma banda grande, com backing vocal, com ballet, e foi muito legal. Acho que a gente surpreendeu a galera que estava lá acompanhando. Não esperava isso, não esperava um show tão grande assim. Foi muito bom. Até hoje, com certeza, tenho pra mim como o melhor show que eu já fiz. Poxa, e isso já é autoexplicativo. Eu espero voltar lá mais vezes! Bom demais!

E o que os fãs podem esperar tanto do show de lançamento de “Nonsense Vol. 2” no Rio de Janeiro como desta próxima turnê nacional? [Obs.: O show no Circo Voador, RJ, foi no dia 07 de março, mas a entrevista foi realizada antes]
Delacruz: A expectativa é grande, muito grande. É um palco histórico. Vamos começar no Circo Voador, um palco que carrega uma energia diferente. Todo mundo que passou por lá, pelo menos os artistas que eu conheço e já tocaram lá, disseram a mesma coisa. A expectativa é muito grande, o nervosismo é grande, mas se der certo lá, acredito que o restante vai ser mais fácil. Eu assisti muita gente que sou fã neste palco e vai ser uma responsabilidade muito grande tocar lá.

Agora que as duas partes do EP foram lançadas, o que mais podemos esperar de Delacruz no ano de 2020?
Delacruz: Bom, agora que as duas partes foram lançadas, o álbum nasceu por completo. Acho que a gente precisa trabalhar o álbum primeiro pra depois trabalhar em novos conteúdos. Tô focado nisso neste ano. Trabalhar o álbum, rodar este show, por enquanto, e quem sabe ainda vem conteúdo. A gente já começa a pensar num novo projeto pra esse ano, mas mais pro final dele, talvez uma coisa que de fato vá acontecer no ano que vem… Por enquanto a gente tem como objetivo trabalhar o “Nonsense”.

Gostaria de deixar um recado aos leitores da Nação da Música?
Delacruz: Meu recado pros leitores é “Prazer”, para aqueles que não conhecem meu trabalho, e muito obrigado àqueles que já conhecem e acompanham, dão essa força pra gente. A gente espera rodar vários estados e fica o convite pros nossos shows. Assim que tivermos acertado datas, vamos publicar nas redes, então sigam acompanhando por favor! Espero muita música nova pra gente nesse ano de 2020!

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Delacruz, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Facebook, Instagram e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - clique aqui e cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.

- PUBLICIDADE -