Falando de livros #22 – Cinco livros que inspiraram músicas (parte 2)

 

- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

Depois de um longo inverno (aliás, peço desculpas pelo sumiço, mas o Falando de Livros já voltou com a programação normal!), estou de volta, e com um post que eu adoro fazer. Afinal, a união de duas áreas tão incríveis como a música e a literatura só podia resultar em coisa boa. Eu já tinha dado início a este assunto de músicas inspiradas por obras literárias neste post, onde listei cinco músicas de bandas famosas, mas é claro que ainda há muita coisa para se falar sobre isso.

- ANUNCIE AQUI -

Sério. Muita mesmo.

- ANUNCIE AQUI -

Panic! At The Disco – Monstros Invisíveis

- ANUNCIE AQUI -

O Panic! At The Disco é uma banda de rock dos Estados Unidos com influências teatrais. Mundialmente conhecida por singles como “I Write Sins Not Tragedies” e “New Perspective”, dá para notar logo de cara a presença do teatro pelos clipes dos caras, pois eles sempre são extremamente bem produzidos e têm aquela aparência caricata que chama a atenção.

A música “Time to Dance” é baseada no romance “Monstros Invisíveis”, de Chuck Palahniuk. Para quem não conhece, ele é o autor do famoso “Clube da Luta”. A inspiração é clara: a música contém as frases “Walls line the bullet holes”, pois o livro começa com um tiroteio; e “Give me envy, give me malice, give me your attention”, utilizada no livro para satirizar a cena em que um fotógrafo diz a uma modelo como se portar.

- ANUNCIE AQUI -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

Iron Maiden – O Senhor das Moscas

- PUBLICIDADE -

O Iron Maiden já escreveu várias músicas baseadas em obras literárias. Falando sobre importantes marcos históricos e literatura inglesa, o grupo se mantém firme e forte na concepção de não falar apenas sobre temas batidos – como por exemplo, o amor – em suas canções. A música “Lord Of The Flies” é baseada no livro homônimo de William Golding, que retrata a regressão à selvageria de um grupo de crianças inglesas de um colégio interno, presas em uma ilha deserta sem a supervisão de adulto após a queda do avião que as transportava para longe da guerra.

A música é escrita como se mostrasse o ponto de vista dos garotos. Dá para ver isso claramente em trechos que dizem “nós não precisamos de um código moral” e “eu gosto de toda a mistura de emoção e raiva, ela desperta o animal, o poder que você pode sentir”. Barbárie pura.

- ANUNCIE AQUI -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

Nirvana – O Perfume

- ANUNCIE AQUI -

A música “Scentless Apprentice”, do Nirvana, surgiu a partir do livro “O Perfume”, do alemão Patrick Süskind. O romance, publicado pela primeira vez em 1985, conta a história de um homem que possui um olfato extraordinariamente apurado, mas não possui cheiro próprio. Ele acaba matando algumas virgens (por que sempre as virgens, meu Deus?) para criar perfumes com o cheiro delas.

Diz a lenda que esse era o livro preferido do Kurt Kobain. Eu não sei dizer se isso é mesmo verdade, mas talvez seja, já que ele se deu o trabalho de fazer uma música a partir disso e tudo o mais. A questão é que se você parar para ler a letra, talvez consiga fazer algumas ligações com a história, mesmo que você não tenha lido o livro.

- ANUNCIE AQUI -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

Coldplay – O Guia do Mochileiro das Galáxias

- ANUNCIE AQUI -

Na série lançada por Douglas Adams, “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, o número 42 é  tido como a resposta para a vida, o universo e tudo mais. A saga é considerada um dos maiores clássicos da ficção científica, símbolo da literatura nerd, e com certeza tem um lugar especial nas bagagens dos fãs de videogames, RPGs e histórias em quadrinhos. Publicada entre os anos de 1979 a 1992, “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, ao longo de sua história, já assumiu a forma de programa de rádio, série de TV, peça de teatro, filme e videogame.

A música escolhida pelo Coldplay para homenagear a série se chama “42”. A questão é que a banda não assume isso exatamente. Digo, quando a Qmazagine perguntou a Chris Martin, em 2008, se a música tem relação com o livro, ele disse: “Tem e não tem. 42 é meu número favorito. 42 é simplesmente perfeito”. E aí?

- ANUNCIE AQUI -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

Winterfell – A Guerra dos Tronos

- ANUNCIE AQUI -

A Winterfell, uma banda norte-americana de power-metal chamada criada em 2000, é obviamente influenciada pelo universo fantástico criado por George R.R. Martin em sua série épica “A Guerra dos Tronos”. A música abaixo, intitulada “Winter Is Coming”, é retirada do álbum de mesmo nome. A faixa possui claras referências à história da Casa Stark e de toda a cultura do norte de Westeros.

Vale lembrar que até mesmo o nome da banda faz referência à saga. Winterfell é um castelo localizado no Norte de Westeros, lar ancestral e o símbolo de poder da Casa Stark, que tem governado a região por milênios.

- PUBLICIDADE -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- ANUNCIE AQUI -

A parte mais legal de fazer um post desses é que eu sei que ainda há muito o que falar a respeito. O universo de “A Guerra dos Tronos”, por exemplo, rendeu uma série de músicas que mal cabe aqui (a não ser que eu quisesse deixar o post gigantesco).

Se alguém souber de mais alguma música que tenha vindo de livros, não deixe de dizer! Eu provavelmente darei continuidade a esse assunto, porque ele é legal demais para ser desperdiçado :)

A redação é comandada por Rafael Strabelli, Editor Chefe e Fundador da Nação da Música, que existe desde 2006. O site possuí mais de 20mil publicações entre notícias, shows, entrevistas, coberturas, resenhas, videoclipes e muito conteúdo exclusivo.