Pela segunda vez, Of Monsters and Men traz a doçura do folk aos palcos do Lollapalooza

Of Monsters and Men

- PUBLICIDADE -
Melim
- PUBLICIDADE -
Maneva
Melim

- PUBLICIDADE -
Maneva

A banda Of Monsters and Men é perfeita para festivais. Com seu estilo folk, melodias fáceis de se cantar e vários “Hey” nas lestras, os islandeses já agitaram o público brasileiro em 2013, também no Lollapalooza, quando o festival ainda era no Jockey Clube. Passados três anos, eles estão de volta mais maduros e mais famosos.

- PUBLICIDADE -

Se em 2013 eles eram pouco conhecidos, em 2016 o palco Onix ficou lotado para ouvir o acordeom e os trompetes ao som de músicas folclóricas. Há quem diga que o show foi monótono e parado, mas também é preciso saber que este é o estilo da própria banda, e que um dos fatores para que o show seja bom também está ligado à reação do público. Nenhum dos dois deixou a desejar.

- PUBLICIDADE -

Vestida de branco e tranças, a vocalista Nanna Bryndís Hilmarsdóttir esbanjou sua doçura com muito carisma e presença de palco, além de uma voz serena e gostosa de se ouvir. Quem estava acima do morro do Palco Onix, podia sentar tranquilamente e deixar a música entrar nos ouvidos, quase que como um relaxamento e um merecido descanso depois de tanta caminhada entre um palco e outro.

- PUBLICIDADE -

Anda assim, era impossível não se animar com as canções agitadas e os hits como “Mountain Sound”, “Little Talks” e “Crystals”, cheias de “oh-oh-ohs” e “heys” para que a plateia se sentisse cada vez mais parte do show.

Não deixe de curtir a nossa página no Facebook, e acompanhar as novidades do Of Monsters and Men e da Nação da Música.

- PUBLICIDADE -
Vinicius Machado: Jornalista por opção, escritor por teimosia e apaixonado por música e cinema, principalmente quando essas duas artes se juntam. Além de escrever para o Nação da Música desde 2013, possui um blog de resenhas de filmes. É frequentador assíduo de shows e festivais. Já viu ícones como Bob Dylan, Roger Waters, U2 e Paul McCartney e só pretende largar essa vida depois que assistir aos Rolling Stones ao vivo.