Resenha: Ruxell – “Paz, Amor e Grave” (2020)

Ruxell
Foto: Rodolfo Magalhães
- PUBLICIDADE -
Siga @nacaodamusica no Twitter
- PUBLICIDADE -
Siga @nacaodamusica no Twitter

O DJ e produtor musical carioca Ruxell no Beat é um nome bastante conhecido entre os artistas da nova geração da música pop brasileira. Conquistando a aclamação do público através de hits de nomes como IZA, Anitta, Pedro Sampaio e outros, o artista desenvolveu uma sonoridade própria, autência e essencialmente crossover. Misturando funk com axé, pagode com trap, Ruxell acaba de lançar seu projeto de estreia como artista principal. “Paz, Amor e Grave” é um álbum dançante que entrega sua essência artística com a ajuda de gigantes do pop nacional.

A faixa título já começa incendiando o ouvinte nos primeiros segundos de audição. Em parceria com os brilhantes Rincon Sapiência e Gloria Groove, o single capta cirurgicamente a identidade dos três artistas e entrega o melhor que há no rap, funk, trap e dance. “Sobreviver” (IZA) e “Tremelique” (Lexa) já imergem em sonoridades mais regionais, misturando reggae e axé.

- PUBLICIDADE -

Deixando a temperatura e ousadia artística esfriar um pouco, a sequência de “Beat Envolvente” e “Abrakadabra” traz batidas mais convencionais e comuns no cenário do pop mainstream, não inovando tanto quanto as demais produções do álbum.

Em parceria com o músico Di Ferrero, “Alma Livre” chega dando uma nova roupagem ao álbum, agora essencialmente orientado pela house music. Essa produção (e principalmente sua composição) dá uma interessante virada no humor do disco, voltando a captar nossa atenção. Uma das faixas que mais brilha, “Lua Cheia” traz os suaves vocais de Kafé em uma produção dance, pop com uma forte presença de riffs dedilhados de violão, influenciados pela música latina. Conforme o álbum progride para o fim, ele se torna liricamente mais profundo, experimental e artístico.

- PUBLICIDADE -
- PUBLICIDADE -

Emanando positividade, Ruxell encerra seu projeto com as faixas de reggae “Rasta Souljah” e com “Vibra”, parceria com a banda BRAZA. Mais espiritual, o artista consegui surpreender mais uma vez o público, mostrando o porquê ele é um dos produtores mais criativos e talentosos dentre as revelações dos últimos anos.

Transitando entre o mainstream clichê e o artisticamente denso, “Paz, Amor e Grave” é um ótimo passo introdutório em sua carreira como artista. Ruxell definitivamente tem um futuro brilhante pela frente. Mesmo tendo entregado um trabalho que mistura todos os ritmos dançantes do Brasil, as possibilidades ainda são inúmeras para trabalhos futuros de sua carreira.

- PUBLICIDADE -

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Ruxell, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e toda a sua família. Não se esqueça de lavar bem as mãos e se possível #FicaEmCasa, mas se precisar sair não se esqueça de usar a máscara! Cuide-se.

- PUBLICIDADE -