Trilha Sonora: 48 músicas da primeira temporada de “Paper Girls”

Paper Girls
Créditos: Reprodução/IMDB
- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

“Paper Girls”, nova série do Prime Video, é baseada na HQ de mesmo nome, escrita por Brian K. Vaughan, com ilustrações assinadas por Cliff Chiang. A produção narra a história de quatro adolescentes; Erin, Tiffany, Mac e KJ que trabalhavam na manhã de 1º de novembro de 1988, até que misteriosamente são enviadas para o futuro, indo parar em 2019.

- ANUNCIE AQUI -
@nacaodamusica

O elenco é formado por Camryn Jones (“Cherish The Day”), Riley Lai Nelet (“Altered Carbon”), Sofia Rosinsky (“Criminal Minds: Beyond Borders”), Fina Strazza (“Law & Order”), Adina Porter (“The 100”), Ali Wong (“Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa“), Sekai Abenì, Jason Mantzoukas (“Pam & Tommy”), entre outros atores e atrizes.

- ANUNCIE AQUI -

“Paper Girls” foi adaptada para a telinha por Stephany Folsom (“O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder”). Além disso, os oito episódios que compõe o início dessa trama também foram dirigidos apenas por mulheres; Mairzee Almas (“Locke & Key”), Georgi Banks-Davies (“I Hate Suzie”), Destiny Ekaragha (“The End of the F***ing World”), Karen Gaviola (“Sons of Anarchy”).

- ANUNCIE AQUI -

Bobby Krlic, também conhecido como The Haxan Cloak, ficou responsável pela composição da trilha sonora original que embala a série. Anteriormente, o músico assinou a criação musical de “Midsommar: O Mal Não Espera a Noite” e trabalhou com Björk, Father John Misty, Khalid, Troye Sivan, Goldfrapp, Serpentwithfeet, The Body e a banda, HEALTH.

- ANUNCIE AQUI -

Além dessas faixas, também ouvimos obras originais de Pavement, Echo & The Bunnymen, Perry Como, Lou Bega, Beach House, Alice Cooper, T. Rex,  Dave Matthews Band, The Bangles, LCD Soundsystem. Como de costume, a seguir falaremos um pouco sobre algumas criações:

“Age of Consent” é uma composição creditada à Bernard Sumner, Stephen Morris, Gillian Gilbert e Peter Hook; todos membros do New Order na época em que esta foi escrita e integrou o disco “Power, Corruption & Lies” (1983).

- ANUNCIE AQUI -

A música utilizou um sample de “Love Will Tear Us Apart”, do Joy Division; banda da qual todos, com exceção de Gilbert, fizeram parte no final da década de 70. Uma releitura cantada por Cayetana é tocada no filme “Para Todos os Garotos: PS. Ainda Amo Você”.

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- PUBLICIDADE -

Glenn Danzig compôs “Mother” como uma resposta a criação do selo “parental advisory”, que visa alertar os pais de crianças e adolescentes sobre os conteúdos explícitos de álbuns, singles e canções em geral. O autor classificou a concepção da sinalização como um ato “realmente fascista” do ex-vice presidente dos EUA, Al Gore e sua ex-mulher, Tipper Gore.

A faixa faz parte do disco autointitulado da banda Danzig, foi produzida por Rick Rubin e em 2016, 28 anos após o lançamento, ele deu uma declaração sobre as origens desse trabalho à Rolling Stone:

- ANUNCIE AQUI -

“Eu me recordo de Glenn estar muito empolgada sobre a faixa ‘Mother’ e me expressar que ele vinha desejando escrever algo do tipo há anos e, até esse momento, não havia encotrado uma forma de fazer isso. Para ele, foi um progresso lírico”, revelou.

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- ANUNCIE AQUI -

Por coincidência, “Parallel Universe” também foi produzida por Rubin, para o álbum “Californication” (1999), do Red Hot Chili Peppers. Foi o sexto e último single promocional desse projeto, também é a 18ª música mais tocada em turnês, segundo o Setlist.fm.

A letra é creditada a todos os membros da banda daquela época: ou seja, Anthony Kiedis, Flea, Chad Smith e John Frusciante. E, assim como a maioria das composições da carreira do grupo, traz analogias às drogas, liberdade e necessidade de limpar os pensamentos… Um enorme jogo de palavras e reflexões.

- ANUNCIE AQUI -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

Em 1999, a gravadora de Whitney Houston lançou “It’s Not Right But It’s Okay” como single promocional do disco “My Love Is Your Love” (1998). A narradora da canção fala sobre a infidelidade de seu parceiro, exigindo que ele saia da sua casa e declarando à todos que vai “sobreviver, de qualquer forma”.

- ANUNCIE AQUI -

A obra foi bem recebida pela crítica, conquistou a quarta posição na tabela “Hot 100” e o topo na “Dance Club Songs”, ambas da revista Billboard. É importante mencionar que essa música garantiu que Houston ganhasse certificações de Platina e Ouro nos Estados Unidos e Reino Unido, respectivamente.

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

- ANUNCIE AQUI -

Confira o trailer de “Paper Girls” após o rodapé e, em seguida, ouça a playlist que montamos para você. Vale lembrar que todos os episódios da primeira temporada estão disponíveis no Prime Video!

Muito obrigado pela sua visita e por ler essa matéria! Compartilhe com seus amigos e pessoas que conheça que também curtam Trilha Sonora, e acompanhe a Nação da Música através do Twitter, Google Notícias, Instagram, YouTube, Facebook e Spotify. Você também pode receber nossas atualizações diárias através do email - cadastre-se. Caso encontre algum erro de digitação ou informação, por favor nos avise clicando aqui.

Torcemos para que tudo esteja bem com você e sua família. Não se esqueça que a vacinação contra a COVID já está disponível em todo o Brasil. Aqueles que já receberam a 1ª e a 2ª dose, lembrem-se de tomar a dose complementar e mesmo após vacinação completa, é necessário seguir as medidas de cuidado necessárias para contermos o coronavírus. Cuide-se!

- ANUNCIE AQUI -

Inscreva-se no canal da Nação da Música no YouTube, e siga no Instagram e Twitter.

Caso este player não carregue, por favor, tente acessa-lo clicando aqui. Siga a NM no Instagram e Twitter.

Jornalista, apaixonada por música, livros e cultura em geral.