Patti Smith
Foto: Allison Ribeiro / Nação da Música.

Durante o chuvoso feriado de 15 de novembro, aconteceu mais uma edição do Popload Festival 2019 em São Paulo, com a grandiosa Patti Smith como headliner. O lineup do festival ainda contou com os reforços de Raconteurs, Hot Chip, Tove Lo, CSS e mais.

Desde a sua primeira edição que rolou em 2009 para uma quantidade intimista de pessoas, o evento trás a proposta de reunir artistas queridinhos pela galera que curte indie e que dificilmente poderia se apresentar no Brasil em outras situações.

Os portões foram abertos as 11h com tempo chuvoso e frio, mas nem isso desanimou o público com o primeiro show do dia, da Luedji Luna. A baiana conquistou o público com muito carisma e talento, com setlist focada em seu álbum de estreia “Um Corpo no Mundo”.

Por volta de meio dia, a britânica Little Simz subiu ao palco do Memorial para mostrar porque vem ganhando tanto destaque na gringa, em festivais clássicos como Glastonbury e Coachella. Com muito flow e ginga, a cantora apresentou faixas do seu disco “Grey Area”, que teve uma recepção positiva pela crítica especializada, e de quebra ainda teve um ponto alto com o público cantando a faixa “Selfish” com a animação que só uma plateia brasileira possui. Para conferir a setlist completa, clique aqui.

O trio Khruangbin trouxe um show pra lá de excêntrico, com uma proposta focada em músicas que era compostas apenas por instrumentais e poucos vocais, além de uma postura blasé e dancinhas únicas. Mesmo trocando poucas palavras, o grupo conseguiu se conectar com o público e mostrou que sons focados no instrumental também são interessantes para se apreciar.

Perto das 15h, uma das atrações mais aguardadas subiu ao palco do Popload, a Tove Lo. A cantora trouxe seu pop repleto de hits que estava na ponta da língua dos fãs que estavam colados no palco. Esta é a terceira vinda da artista para o Brasil, e em um momento ela se declarou, dizendo que os brasileiros são o melhor público no mundo todo. O ponto alto do show, foi quando a sueca convidou o MC Zaac para apresentar a parceria “Are U Gonna Tell Her?” e transformou o festival num grande baile funk com um coro fervoroso. Para conferir a setlist completa, clique aqui.

- PUBLICIDADE -
Tove Lo
Foto: Allison Ribeiro / Nação da Música.

A grande volta do Cansei de Ser Sexy trouxe muita nostalgia para todos presentes no festival. A vocalista Luísa se apresentou para o público com um “Feliz 2004!”, e fez a alegria dos jovens adultos com os sucessos “Art Bitch”, “Meeting Paris Hilton”, “Music Is My Hot Sex”, “Move” e “Superafim”. A apresentação também ficou marcada por manifestações políticas com imagens contra o presidente Jair Bolsonaro no telão, o polêmico quadrinho que foi censurado na Bienal do Livro do Rio por conter um beijo gay e a Luisa usando uma roupa estampada com as seguintes palavras “MST: Revolução Agroflorestal”. Para conferir a setlist completa, clique aqui.

O Hot Chip transportou a plateia para um clima de anos 80, com sua pegada synthpop. Mesmo não estando em alta, e nem sendo uma das atrações mais aguardadas do festival, eles conseguiram animar o público em vários momentos, como quando apresentaram as canções “Over & Over” e “Ready for The Floor”. Para conferir a setlist completa, clique aqui.

O Jack White já esteve no Brasil, mas com sua banda The Raconteurs foi a primeira. Com o Memorial da América Latina lotado, composto em grande parte por um público com mais de 30 anos, o veterano entregou um show de rock com influências de soul e blues. A plateia não poupou gritos e coro em muitas faixas, como quando foi apresentada “Now That You’re Gone”. Um ponto negativo do show foi a iluminação escolhida pelo grupo, que em certos momentos causava certa dificuldade para quem estivesse assistindo a banda e provavelmente funcione melhor em casas de show menores. Para conferir a setlist completa, clique aqui.

E finalmente a atração mais aguardada do festival chega, com um legado impecável e memorável, a Patti Smith mostrou porque é considerada uma das maiores artistas femininas da indústria musical. A artista veterana entregou um show que muitos músicos jovens não conseguem entregar, trazendo uma atmosfera de empoderamento e inspirando seus fãs a lutarem pelos seus direitos, questionando seus governantes do País e Estado. A primeira música da setlist foi  “People Have the Power”, mostrando para as pessoas que estavam prestes a viver um show épico. Um dos pontos altos foi o público cantando insanamente a faixa “Because the Night”. O ato final ficou por conta de Gloria: in Escelsis Deu”, em que Patti Smith destruiu as cordas de uma guitarra e mostrou que não existe idade para se ter uma atitude rock’n roll no palco. Para conferir a setlist completa, clique aqui.

- PUBLICIDADE -

O Popload Festival 2019 foi marcante em muitos momentos, melhorou em muitos aspectos como na questão da alimentação que possuíram pontos melhor localizados, porém falhou com o público em questões que foram levantadas em 2018, como os banheiros que não davam conta da demanda com filas enormes e quem comprou a entrada antecipada por um valor que custava um pouco mais de 100 reais, que garantia acesso ao festival uma hora antes, mas por conta dos atrasos só entrou 15 minutos antes do público geral e não pode desfrutar do benefício.

Deixe seu comentário no final dessa publicação, marque seus amigos que também curtem Popload Festival, acompanhe a nossa agenda de shows e a Nação da Música através do Twitter, Facebook, Instagram e Spotify. Muito obrigado pela visita e por ler essa matéria!