O Dr. Petros Levounis testemunhou no dia 27 de agosto à favor da AEG LIVE no processo de homicídio culposo que está sendo movido pela família de Michael contra a grande produtora de eventos. Em depoimento o médico alegou que Michael era um dependente de “larga escala” e que mantinha segredo absoluto sobre seus abusos de analgésicos e calmantes. Assim os executivos não tinham como saber que ele se expunha a tal risco.

O advogado da família Michael Koskoff em resposta disse que a dependência do cantor já bem conhecida, e por isso, ele abreviou a sua turnê de 1993 “Dangerous” para poder se internar na reabilitação. “Se ele anunciou isso ao mundo todo, é porque não era um segredo absoluto, era?” perguntou Koskoff ao Dr. Levounis durante um dos interrogatórios.

Levounis falou também sobe o forte laço que Michael tinha com o seu médico particular Dr. Conrad Murray e que essa proximidade era prejudicial, pois facilitava com que o paciente pedisse a droga ao médico. Vale lembrar que foi o Dr. Murray que aplicou a dose de Propofol que matou Michael.

Já foram 76 os testemunhos desse julgamento que começaram em Abril de 2013 e a previsão de encerramento do caso é para o próximo mês de Setembro.