Lorde: o primeiro single de cada álbum da cantora

Fonte: Divulgação

Estamos de volta para mais um post da coluna que trata do primeiro single de cada álbum de um determinado artista, com a finalidade de analisar se seu primeiro single traduz o conjunto total da obra. Nesta semana iremos falar dos discos da neozelandesa Lorde que lançou, recentemente, o “Melodrama”. Preparados? Então chega mais!


Pure Heroine (2013)

O álbum de estreia de Lorde chegou em 2013 e para abrir os trabalhos, tivemos o single “Royals”. Dona de um dos mais expressivos instrumentais do cenário mainstream daquele ano e com uma letra extremamente inteligente e bem trabalhada, a faixa é a perfeita descrição do álbum de Lorde que teve “Tennis Court”, “Team” e “Glory and Gore” como singles futuros. O disco em si tem dois pilares, um deles diz respeito às letras profundas e conceituais que são cheias de metáforas, figuras de linguagem, dentre outros recursos que só enriquecem mais a escrita e o segundo diz respeito aos instrumentais explosivos e marcados que fazem possível todas as dancinhas diferenciadas da cantora em suas performances.


Melodrama (2017)

“Melodrama”, lançado em Junho de 2017, é um álbum que supera em todos os aspectos o primeiro trabalho da cantora, no entanto, seu primeiro single “Green Light” não é nem de longe uma descrição da totalidade do CD, por ser uma faixa bastante comercial e mais voltada para o pop, o que não acontece no restante do disco. O segundo single “Perfect Places” traduz melhor o álbum do que o primeiro e faz mais, se conecta com o primeiro disco da cantora de uma maneira tão natural que poderia facilmente estar presente em sua tracklist. Vejamos qual será a escolha para o terceiro single do “Melodrama”.

Deixe seu comentário no final da página, marque aquele seu amigo que também curte Lorde, e acompanhe a Nação da Música nas Redes Sociais: Facebook, Twitter, Spotify e Instagram.

COMPARTILHAR
Guil Anacleto
Arquiteto e Urbanista por opção, cantor e amante de música por vocação. Uniu seu gosto por música e por escrita quando viu no Nação da Música a oportunidade de fundir ambos. Não fica sem um bom livro, um celular e um fone de ouvido. Amante de séries, televisão, reality shows, gastronomia, viagens e tenta sempre usar isso a seu favor para estar reunido com família e amigos. Uma grande metamorfose ambulante reunida em um coração sonhador com um toque de humor indispensável.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!